Página Principal > Medicina Interna > Quanto tempo você dedica ao seu paciente?

Quanto tempo você dedica ao seu paciente?

Tempo de leitura: 2 minutos.

Quanto tempo você passa dando atenção ao seu paciente? E quanto é gasto com registro eletrônico, serviços administrativos e outras tarefas? Uma pesquisa publicada no periódico Annals of Internal Medicine mostrou que quase 50% do tempo total do médico são voltados às ultimas tarefas; enquanto apenas 27% são dedicados ao paciente.

O estudo releva uma tendência causada por toda a burocracia necessária no atendimento ambulatorial, mas também pode mostrar como isso pode mudar. O registro eletrônico com os dados do paciente é necessário, assim como manter essas informações armazenadas podem ajudar em um futuro próximo. Mas quanto mais o médico tiver prática em fazê-lo, mais o tempo deverá se inverter, para fazer com que, no lugar de uma hora com o paciente para duas horas em outros serviços, 50% do seu tempo seja voltado à prática clínica.

É extremamente importante dedicar tempo ao paciente, pois muitas informações podem ser observadas neles: na fala, no modo de agir, e no que respondem. Mesmo que toda a burocracia não possa ser pulada, dar atenção a quem está à sua frente é essencial para uma boa relação médico-paciente e um melhor diagnóstico, escolhendo, ainda, o tratamento ideal para ele.

Veja também: ‘Slow Medicine: uma solução para o burnout?’

A pesquisa tinha o objetivo de descrever o tempo do médico na prática ambulatória, e foi feita com quase 60 profissionais dos Estados Unidos, das seguintes especialidades: medicina de família, medicina interna, cardiologia e ortopedia. Também foi observado que, mesmo após o trabalho, muitos médicos dedicam cerca de uma a duas horas para outros serviços, como questões administrativas, relatórios e atividades de escritório.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Reverter esse tempo ou, pelo menos, gastá-lo menos com esse tipo de tarefa pode ser ainda uma solução para o burnout, síndrome do esgotamento profissional, que atinge muitos médicos atualmente.

Referências:



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.