Que sapatos são melhores para osteoartrite?

Tempo de leitura: 2 min.

Causa mais comum de artrite no mundo, a osteoartrite está associada ao envelhecimento e caracteriza-se pela falha total da articulação, com degeneração da cartilagem, osso subcondral, ligamentos, cápsula articular, tendões, nervos e músculos. Dentre os locais em que a osteoartrite se desenvolve, destacam-se as mãos, coluna, quadris e os joelhos, sendo um processo inflamatório e degenerativo crônico com perda funcional progressiva a médio e longo prazo. 

A principal queixa dos pacientes é a artralgia de ritmo mecânico, protocinética, que piora com o movimento e com o uso da articulação. No caso dos joelhos, especificamente, pode haver ainda instabilidade da articulação, os chamados falseios.

A recomendação a esses pacientes, a fim de diminuir os impactos é o uso de sapatos com solas mais rígidas do que os normais, mas surgiram evidências de que sapatos baixos de sola flexível podem ser melhores. Com base nessa informação, um ensaio randomizado foi feito por pesquisadores da Universidade de Melbourne, Austrália, e publicado no Annals of Internal Medicine, do American College of Physicians (ACP), para pesquisar qual sapato realmente traz benefícios para quem sofre de osteoartrite

O estudo e o resultado

O ensaio randomizado duplo cego foi realizado com 164 pacientes com osteoartrite medial radiográfica sintomática moderada a grave do joelho. Durante seis meses, por pelo menos seis horas por dia, os participantes foram divididos entre os que usaram sapatos baixos de sola flexível (n= 82) ou sapatos com sola rígida ​​(n= 82).  

As evidências mostraram uma diferença entre os grupos na mudança na dor, que favoreceu os sapatos com sola rígida (diferença média, 1,1 unidades [IC 95%, 0,5 a 1,8 unidades]; P = 0,001), mas não funcionam (diferença média, 2,3 unidades [IC, – 0,9 a 5,5 unidades]; P = 0,167). Melhorias na qualidade de vida relacionada ao joelho e dor no quadril ipsilateral favoreceram sapatos com sola rígida (diferença média, −5,3 unidades [IC, −10,0 a −0,5 unidades] e 0,7 unidades [IC, 0,0 a 1,4 unidades], respectivamente). sapatos baixos de sola flexível não foram superiores aos sapatos com solas rígidas para nenhum resultado secundário. Menos participantes relataram eventos adversos com sapatos com solas rígidas (n= 12 [15%]) em comparação com sapatos baixos de sola flexível (n= 26 [32%]) (diferença de risco, -0,17 [IC, -0,30 a -0,05]).

Conclusão

Ao contrário da hipótese, os sapatos com sola mais rígida realmente foram melhores que os sapatos baixos de sola flexível na redução da dor no joelho ao caminhar. Importante ressaltar que o estudo não utilizou nenhum grupo com os chamados sapatos normais.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED.

Referências bibliográficas:

  • Paterson, Kade L.;  Bennell, Kim L.; Campbell, Penny K.; Metcalf, Ben R.; Wrigley, Tim V.; Kasza, Jessica; Hinman, Rana S. The Effect of Flat Flexible Versus Stable Supportive Shoes on Knee Osteoarthritis Symptoms A Randomized Trial. Annals of Internal Medicine. https://www.acpjournals.org/doi/10.7326/M20-6321
  • Osteoartrite. Medicina Interna, Reumatologia. Whitebook Clinical Decision, disponível em:<https://whitebook.pebmed.com.br/>
Relacionados