Pneumologia

Transplante de pulmão volta a ser realizado no Rio de Janeiro após 15 anos

Tempo de leitura: 2 min.

Após um período de 15 anos, o estado do Rio de Janeiro voltou a realizar um transplante de pulmão na última terça-feira, 3. O procedimento realizado no Instituto Nacional de Cardiologia (INC), localizado em Laranjeiras, bairro da zona sul da capital, contou com a paciente de 35 anos diagnosticada com linfangioleiomiomatose (LAM) e durou cerca de dez horas.

O objetivo é que o INC consiga atender à demanda de transplantes de pulmão no Rio de Janeiro a partir de agora. Para isso, o centro está contando com estrutura avançada e permanente para realizar cerca de oito a doze cirurgias por ano, número que ainda pode aumentar de forma gradativa. 

Saiba mais: Paciente com Covid-19 recebe primeiro transplante de pulmão de doadores vivos

Antes dessa iniciativa, pacientes que precisassem de transplante pulmonar pelo Sistema Único de Saúde (SUS) só conseguiriam em cidades como São Paulo e Porto Alegre, já que o tempo de retirada do pulmão do corpo doador e transplante no paciente não pode exceder seis horas. Como até então não havia tal estrutura no Rio para atender esses casos, pacientes incapazes financeiramente arcar com o deslocamento ou por outro motivo acabavam vindo a óbito.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

O transplante de pulmão

Segundo o Ministério da Saúde, a cirurgia contou com uma megaestrutura, precisando até de um helicóptero para fazer o transporte do pulmão que foi doado. A paciente que lutava contra uma doença pulmonar rara, progressiva e degenerativa, já se alimenta adequadamente e respira sem ajuda de aparelhos de respiração mecânica

Instituto Nacional de Cardiologia 

A estrutura montada pelo INC no Rio de Janeiro está contando com 30 profissionais, como quatro cirurgiões, dois pneumologistas, um infectologista, um cardiologista, um imunologista e quatro anestesistas. O centro também tem profissionais de enfermagem, fisioterapia, nutrição, psicologia e terapia ocupacional. 

O Instituto Nacional de Cardiologia já é referência há mais de 40 anos em tratamentos de alta complexidade de doenças cardíacas e cirurgias cardíacas. Além disso, ele é o único hospital público do estado do Rio de Janeiro que possibilita transplantes cardíacos em pacientes adultos e pediátricos. 

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Luciano Lucas

Posts recentes

Blog do Nurse: live “O suicídio como um problema de saúde pública”!

Na próxima segunda-feira (27/09), às 20h, o Nursebook convida Cleudo Menezes e Rafael Polakiewicz para…

8 horas atrás

Podcast Integrado: prevenção ao Suicídio: como detectar fatores de risco? [podcast]

Confira o podcast dos canais da PEBMED sobre fatores de risco na prevenção ao suicídio.…

8 horas atrás

Como diferenciar doenças inflamatórias desmielinizantes em crianças por exames de imagem?

“Crianças não são adultos em miniatura”. Devemos nos lembrar disso na avaliação das doenças desmielinizantes…

9 horas atrás

Qual é o melhor tratamento para fraturas do terço distal do rádio a longo prazo em idosos?

Um estudo avaliou qual é o melhor tratamento a longo prazo para fraturas instáveis do…

10 horas atrás

Prorrogadas as inscrições para o edital voltado aos preceptores em programas de residência

A prorrogação Capacitação em Gestão de Programas de Residências em Saúde foi publicada na edição…

12 horas atrás

Avanços no tratamento da fibrose cística

A fibrose cística é uma doença monogênica autossômica recessiva causada por mutações no gene CFTR,…

13 horas atrás