Um novo paradigma na Síndrome da Fadiga Crônica

Fadiga é uma queixa muito comum no atendimento ambulatorial e altamente angustiante para o médico e o paciente, devido a grande dificuldade no diagnóstico e tratamento desta condição. Em 1994, Fukuda et al. publicou a definição de uma síndrome clínica cuja queixa central é a fadiga, e desde então a medicina passou a encarar a …

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Fadiga é uma queixa muito comum no atendimento ambulatorial e altamente angustiante para o médico e o paciente, devido a grande dificuldade no diagnóstico e tratamento desta condição. Em 1994, Fukuda et al. publicou a definição de uma síndrome clínica cuja queixa central é a fadiga, e desde então a medicina passou a encarar a síndrome como entidade nosológica. Em pouco mais de 20 anos, pouco evoluímos no tratamento porém muito já se conhece, e se pergunta, sobre a fisiopatologia da doença. Pensando nisso, organizamos uma matéria especial sobre o tema, utilizando a excelente ferramenta do mindthegraph.com para ilustrar o paradigma atual da fisiopatologia desta síndrome.

A definição da síndrome da fadiga crônica, como publicada em 1994, consiste inteiramente em um conjunto de sintomas, carecendo de dados mais objetivos para sua caracterização e consequente diagnóstico. Seu amplo diagnóstico diferencial, que envolve doenças como depressão, hipotireoidismo, esclerose múltipla, fibromialgia e outras, também reforçam a alta demanda por exames diagnósticos.

Embora seja caracterizada inteiramente por sintomas, pesquisas recentes evidenciaram alterações em exames de imagem e laboratoriais presentes na síndrome da fadiga crônica, indicando sua natureza fisiopatológica orgânica e desmentindo seu caráter psiquiátrico anteriormente atribuído.

Sendo assim, resumimos abaixo (e na figura acima) as principais alterações observadas pelos estudos:

Alterações Cognitivas e em Sistema Nervoso Central:

  • Lentificação do processamento de informações e déficit de atenção e memória;
  • Tarefas cognitivas requerem mais áreas do cérebro para serem realizadas (por exames funcionais de ressonância magnética);
  • Diminuição da substância cinzenta cerebral (por ressonância magnética);
  • Neuroinflamação crônica por ativação de células da glia (por PET scan).

Alterações em Eixos Hormonais:

  • Diminuição dos níveis de cortisol noturno e de excreção urinária em 24 horas;
  • Diminuição da liberação hipotalâmica de CRH e hipofisária de ACTH.

Alterações do sistema imune:

  • Disfunção de linfócitos natural killer (NK);
  • Níveis de citocinas inflamatórias alterados, indicativos de inflamação crônica;
  • Ativação imunomediada das células da glia.

Algumas evidências também demonstram o papel de infecções, especialmente pelo vírus Epstein-Barr, como deflagradores e perpetuadores do estado de inflamação crônica que causam a fadiga. Preconiza-se portanto, que este estado de inflamação crônica desencadeia alterações de função encefálica e liberação hormonal, que determinam a fadiga. A maior evidência que temos de que o aumento de citocinas determina fadiga é o efeito adverso associado a administração de interferon para o tratamento de hepatite C.

Diante destas evidências, o grande desafio é que todas as alterações relatadas, embora objetivas, apresentam baixa sensibilidade e especificidade, e, portanto, não devem ser utilizadas como ferramentas diagnósticas para a síndrome da fadiga crônica.

Ainda assim, uma nova abordagem está sendo proposta em termos de diagnóstico e tratamento, e reservamos esta abordagem para nossa próxima postagem no blog. Fique ligado!

Referências Bibliográficas:

  • Fukuda K et al. The chronic fatigue syndrome: A comprehensive approach to its definition and study. Ann Intern Med 1994 Dec 15.
  • Komaroff AL and Cho TA. Role of infection and neurologic dysfunction in chronic fatigue syndrome. Semin Neurol 2011 Jul.
  • Nakatomi Y et al. Neuroinflammation in patients with chronic fatigue syndrome/myalgic encephalomyelitis: An 11C-(R)-PK11195 PET study. J Nucl Med 2014.
  • Komaroff AL. Chronic Fatigue Syndrome: Biology, Diagnosis and Management. New England Journal of Medicine 2015 June 15.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

Tags