Página Principal > Colunistas > 10 pontos a serem considerados na prescrição médica do paciente grave
médica avaliando paciente grave acamado

10 pontos a serem considerados na prescrição médica do paciente grave

Tempo de leitura: 2 minutos.

A prescrição é o documento para registro do tratamento e das ordens médicas. Nela estão contidas as orientações quanto à hidratação, uso de antibióticos e outros medicamentos, soluções sob infusão contínua incluindo aminas vasoativas e sedação, uso de analgésicos, profilaxias, hidratação e alimentação. Tem periodicidade diária, mas uma vez emitida, está sujeita a alterações secundárias às “flutuações” do quadro clínico do paciente.

A revisão da prescrição médica é de grande importância, pois erros de prescrição estão frequentemente associados à maior morbidade. A farmacocinética alterada pela doença crítica e a frequente associação de múltiplos medicamentos torna a questão ainda mais relevante.

A revisão sistemática diária da prescrição médica, no momento do “round” diário, frequentemente detectará erros de prescrição e aumentará a segurança na cuidado do paciente. Recomendamos, em especial ao intensivista / farmacêutico clínico encarregado da revisão, a adoção de uma postura pró-ativa, como quem investiga sobre “o que pode ser feito de diferente nesta prescrição?”. Abaixo, veja alguns pontos de checagem do documento.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

10 pontos a serem considerados proativamente na prescrição médica do paciente grave:

1. Foi efetuada a correção das doses de medicamentos conforme o grau de disfunção renal?
2. É possível reduzir o volume de hidratação venosa prescrita? É possível utilizar água filtrada pelo tubo digestivo ou mesmo por via oral?
3. Houve ou haverá retardo na administração de antibiótico? O aprazamento automático foi adequado? É possível antecipar o horário da dose de ataque?
4. A nutrição enteral/parenteral foi efetivamente administrada?
5. Há necessidade de suplementação de micronutrientes?
6. Constam na prescrição todas as profilaxias e cuidados gerais cabíveis (p.ex.: úlcera de córnea, uso de bloqueadores de bomba de prótons quando indicado, profilaxia antitrombótica, profilaxia de constipação, etc)
7. Os sedativos podem ser reduzidos ou convertidos para via enteral? Os opioides são realmente necessários hoje? Em que dose?
8. Há alguma interação medicamentosa entre os medicamentos prescritos? Há alguma interação farmaco-nutriente? A conciliação medicamentosa foi feita? Colírios e drogas menos lembradas foram incluídas?
9. Estou sobrepondo anti-hipertensivos entéricos para o mesmo horário, aumentando assim o risco de hipotensão?
10. É necessário realmente manter a dose de diurético atual?

A intervenção não encontra seu término na prescrição médica, mas na sua efetiva administração. Sobretudo em ambientes de elevada carga de trabalho para a equipe de enfermagem – panorama menos raro do que consideramos desejado -, o intensivista contribuirá para melhores desfechos dos pacientes críticos instituindo uma dupla checagem sobre a ordem prescrita. E não podemos deixar de lembrar que, como todo documento médico, além da inteligibilidade da escrita, a prescrição requer data, hora e carimbo do médico responsável pelo paciente.

Mais do autor: ‘Oferta de proteínas no paciente grave: o que devemos saber’

Autor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.