Página Principal > Reumatologia > 1ª droga para arterite de células gigantes é aprovada

1ª droga para arterite de células gigantes é aprovada

Queremos saber a sua opinião! Gostou de ouvir essa notícia em áudio? Clique aqui e responda nossa pesquisa.

Food and Drug Administration (FDA), agência regulatória para medicamentos dos EUA, aprovou em maio a primeira droga para o tratamento de adultos com arterite de células gigantes.

Trata-se da ACTEMRA® (tocilizumabe), solução injetável para administração subcutânea, já utilizada no tratamento da artrite reumatoide. Com a expansão do seu uso, a droga passa a ser a primeira terapia aprovada pela FDA específica para este tipo de vasculite.

A eficácia e a segurança da ACTEMRA® foram estabelecidas em um estudo duplo-cego, controlado por placebo, com 251 pacientes com arterite de células gigantes. O desfecho de eficácia primário foi a proporção de pacientes que alcançaram a remissão sustentada da semana 12 à semana 52.

A remissão sustentada foi definida como ausência de sintomas, normalização de testes laboratoriais inflamatórios e redução do uso de prednisona.

Uma maior proporção de pacientes que receberam ACTEMRA® subcutâneo com regimes de prednisona padronizados conseguiram remissão sustentada em comparação com pacientes que receberam placebo. A dose cumulativa de prednisona foi menor nos indivíduos tratados com a droga.

Veja também: ’10 fármacos estão na mira do FDA!’

Informações importantes

A FDA alerta que vacinas devem ser evitadas durante o tratamento com ACTEMRA®. A droga deve ser usada com precaução em pacientes com risco aumentado de perfuração gastrointestinal. Existem relatos de reações de hipersensibilidade, incluindo anafilaxia e morte.

Arterite de células gigantes

A arterite de células gigantes é uma forma de vasculite, um grupo de distúrbios que resulta em inflamação dos vasos sanguíneos. Esta inflamação faz com que as artérias se estreitem ou se tornem irregulares, impedindo o fluxo sanguíneo adequado. Na arterite de células gigantes, os vasos mais envolvidos são os da cabeça, especialmente as artérias temporais. O tratamento padrão envolve altas doses de corticosteroides.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

Referências: