80% dos casos de sepse começa fora do hospital

Um novo relatório do CDC traz um alerta para que os profissionais de saúde façam mais para prevenir, reconhecer e tratar a sepse.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A cada ano, 1 a 3 milhões de pessoas nos Estados Unidos são diagnosticadas com sepse. No Brasil, ela é responsável por 25% da ocupação de leitos em UTIs. Um novo relatório do CDC traz um alerta para que os profissionais de saúde façam mais para prevenir, reconhecer e tratar a sepse.

500x120-CIRURGIA

O CDC realizou um estudo retrospectivo de 246 adultos e 79 crianças de quatro hospitais de Nova York, com sepse grave ou choque séptico. A idade média dos pacientes adultos foi de 69 anos e 52% eram do sexo masculino. O grupo pediátrico incluiu 31 crianças menores de 1 ano e 48 crianças entre 1 e 17.

Espelhando outros estudos, septicemia ocorreu mais frequentemente entre os pacientes com uma ou mais comorbidades. Mas o que mais chamou a atenção dos pesquisadores foi a constatação de que cerca de 80% dos pacientes desenvolveram infecções fora do hospital.

O estudo também revelou que 72% dos pacientes com sepse tinham visitado um médico no mês anterior ou tinham doenças crônicas, o que mostra oportunidades para a prevenção ou reconhecimento precoce de infecções que levam a sepse.

Quem mais sofre

De acordo com o relatório, a sepse está mais frequentemente associada com infecções do pulmão, trato urinário, pele e intestinos. A pneumonia é a infecção mais comum que leva à sepse.

Os indivíduos em alto risco de sepse são pessoas com 65 anos ou mais, crianças menores de 1 ano, pacientes com sistemas imunológicos enfraquecidos e aqueles com condições médicas crônicas, como diabetes.

250-BANNER5

Saiba mais sobre sepse:

– Infecções secundárias matam mais em pacientes com sepse?
– Sepse e novas definições: o que muda na prática?
– O tempo para o início do antibiótico na sepse faz diferença?
– Beta-bloqueadores: A melhor escolha na sepse + FA
– Cuidados em Sepse Abdominal (Conduta Médica em Cirurgia)

O que fazer

Os pesquisadores também indicaram seis sintomas chaves da sepse, que não são amplamente conhecidos:

– calafrios, febre ou sentir muito frio;
– dor ou desconforto extremo;
– pele pegajosa ou suada;
– confusão ou desorientação;
– falta de ar;
– batimentos cardíacos acelerados.

O Dr. Eric Perecmanis, médico especialista em Terapia Intensiva pela AMIB e colunista da PEBmed, destacou a importância do relatório do CDC:

“Campanhas com intuito informativo são amplamente divulgadas para prevenção de doenças prevalentes e de elevada morbidade e mortalidade. Com pouco esforço vários exemplos vem a nossas mentes, entre eles: câncer de mama e próstata, tuberculose, AVE e infarto agudo do miocárdio. Esse último talvez, o mais difundido de todos pela mídia ao longo dos anos. Dificilmente alguém com dor no peito não se encaminhará a uma emergência nas primeiras horas de sintomas. Por que seria diferente com a sepse?” – questiona Dr. Eric.

No relatório, o CDC destaca algumas ações importantes:

  • Educar os pacientes e suas famílias: reforce a necessidade de prevenir infecções, gerenciar as condições crônicas e, se uma infecção não está a melhorando, procurar imediatamente um médico.
  • Pensar em ‘sepse’: conheça os sintomas para identificar e tratar pacientes mais rápido.
  • Agir rápido: se existir suspeita, solicite exames para ajudar a determinar se uma infecção estiver presente, onde e o que causou isso. Comece com antibióticos e outros cuidados médicos recomendados imediatamente.
  • Reavaliar o doente: verifique o progresso do paciente com freqüência. Faça uma reavaliação da terapia antibiótica de 24 a 48 horas mais cedo, conforme necessário. Determine se o tipo de antibióticos, dose e duração estão corretas.

“Finalmente o mundo se dá conta que o diagnóstico e tratamento precoce desta patologia também muda seu desfecho. Estamos muito longe do ideal, especialmente em nosso país, mas espero que a intenção venha para ficar” – finaliza o Dr. Eric.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Referências:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Tags