A enfermagem no cuidado da coronofobia - PEBMED

A enfermagem no cuidado da coronofobia

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Um novo impacto vem chamando atenção dos profissionais de saúde e da sociedade acadêmica, a coronofobia. Esse termo foi criado em referência a fobia que muitas pessoas vem desenvolvendo pelo coronavírus. Na verdade, o medo está relacionado ao sentimento de medo, de ansiedade relacionado ao adoecimento, possíveis complicações e morte causadas pelo coronavírus. 

Frente a essa angústia, a pessoa desenvolve uma fobia de qualquer possibilidade de contrair a doença. É comum a pessoa ficar com medo de morrer ou adoecer e inclusive de que o mal aconteça com os entes queridos. A coronofobia está relacionada ainda a diversos outros quadros associados como a ansiedade generalizada, o pânico, os comportamentos obsessivos, a diminuição do contato social, sentimento de adoecimento e morte, depressão e suicídio.  O uso de medicamentos é um grave problema visto que são considerados protetivos, mas em maioria, não possuem comprovação científica, ficando a pessoa sujeita aos efeitos adversos. O problema provoca crise em situações onde a pessoa fica exposta a contaminação. 

A enfermagem no cuidado da coronofobia

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Sintomas da coronofobia

Geralmente, a pessoa apresenta sintomas clássicos de ansiedade, como agitação, aumento da frequência cardíaca, aumento da pressão arterial, angústia, tremor periférico, distúrbios alimentares, distúrbios do sono, formigamento, dificuldade de respirar, evite o contato social, desenvolve hipocondria em relação a infecção. Desenvolve ainda crenças irracionais e negativas contra a própria vida ou ao estado de adoecimento, assim como de seus familiares. O coping religioso e espiritual também é observado.  

Na verdade, na maioria das vezes os procedimentos são seguidos à risca de forma correta, mas o exagero, chama atenção principalmente em relação ao excesso, com medidas que extrapolam a proteção recomendada.  A coronofobia pode ser confundida com transtorno de ajustamento, visto as diversas mudanças que a pessoa passou no último ano de forma abrupta. No entanto, podemos considerar os aspectos ligados ao temor do adoecimento e da morte, assim como a preocupação excessiva como o aspecto diferencial.

Leia também: Saúde mental e Covid-19: universitários brasileiros são os mais afetados pela pandemia

Como a enfermagem pode contribuir para o cuidado frente a fobia do coronavírus?

  • Faça o acolhimento utilizando a telenfermagem ou por contato telefônico. A imagem presente pode contribuir para a percepção de algumas expressões importante para avaliação do estado psíquico;
  • Crie vínculo e estabeleça um projeto terapêutico singular imediato, que prevê o levantamento de possibilidades de redução do estresse;
  • Evite buscar a terapia da exposição para o enfrentamento, indicada em alguns tratamentos de fobia, visto que neste caso a saúde da pessoa pode estar em risco; 
  • Compreenda os principais temores e medos da pessoa, estabelecendo a história da doença atual;
  • Compreenda se a pessoa possui histórico de vulnerabilidade psíquica;
  • Faça avaliação do estado psíquico e emocional;
  • Levante dados sobre a vida pessoa, instrumental e psicossocial;
  • Compreenda as modificações que a pessoa passou em detrimento da pandemia;
  • Compreenda as questões relacionadas ao adoecimento e a morte de familiares ou pessoas próximas como amigos;
  • Identifique alteração do humor;
  • Identifique alteração no padrão do sono;
  • Identifique alteração no comportamento alimentar;
  • Compreenda a saúde sexual
  • Compreenda a saúde espiritual/religiosa;
  • Converse sobre a real situação de perigo esclarecendo possíveis concepções erradas ou equivocadas;
  • Estimule a pessoa a ter menor acesso a informações midiáticas sobre o assunto;
  • Permita que a pessoa possa falar sobre suas angústias;
  • Compreenda as questões afetivas e de relacionamento;
  • Compreenda as questões relacionadas a esperança e ao futuro;
  • Esclareça sobre canais de comunicação de cuidado em casos de crise;
  • Estimule o contato com amigos e parentes por meio da internet;
  • Reforce as medidas de proteção e esclareça quanto a mitos e informações falsas;

Lembre-se que a pessoa com coronafobia terá muita dificuldade em buscar o serviço de saúde de forma presencial. Por esse motivo, a rede de atenção não presencial deve ser desenvolvida em seu território. 

Hoje, a telenfermagem é uma excelente saída para o tratamento da coronofobia. Além disso, a pessoa com coronafobia pode desenvolver transtornos de ansiedade e principalmente depressão que a leve para um diminuição das relações. Esse fenômeno faz com que a assistência à saúde seja um dos fatores de vulnerabilidade. O que reforça a necessidade de desenvolvimento de atividades informativas pelo serviço de enfermagem. 

Saiba mais: Os efeitos da quarentena na saúde mental

Uma vez que a própria pessoa pode identificar os sinais e sintomas e buscar ajuda. Lembre-se nesse momento, as vulnerabilidades psíquicas vão aumentar devido a complicações do isolamento social, por isso, é necessário maior atenção dos profissionais de enfermagem para essa temática.

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Barros MBA, Lima MG, Malta DC, Szwarcwald CL, Azevedo RCS, Romero D, et al. Relato de tristeza/depressão, nervosismo/ansiedade e problemas de sono na população adulta brasileira durante a pandemia de COVID-19. Epidemol Serv Saúde: 2020:23 p.
  • Lindemann Ivana Loraine, Simonetti Amauri Braga, Amaral Christian Pavan do, Riffel Rogério Tomasi, Simon Tiago Teixeira, Stobbe Julio Cesar et al . Percepção do medo de ser contaminado pelo novo coronavírus. J. bras. psiquiatr. 2021  Mar ;  70( 1 ): 3-11
  • Lee SA, Jobe MC, Mathis AA, Gibbons JA. Incremental validity of coronaphobia: Coronavirus anxiety explains depression, generalized anxiety, and death anxiety. Journal of Anxiety:  Disorders. 2020: 74.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar