Página Principal > Colunistas > Alcoolismo: nova diretriz indica melhor tratamento medicamentoso
alcoolismo

Alcoolismo: nova diretriz indica melhor tratamento medicamentoso

Tempo de leitura: 2 minutos.

Estima-se que nos Estados Unidos menos de 10% das pessoas que sofrem com uso abusivo do álcool já tenham sido abordadas nesse sentido por um profissional de saúde, seja como suporte psicológico ou psiquiátrico. O abuso de álcool é muito comum no mundo todo, mais ainda na sociedade ocidental. Essas pessoas precisam ser abordadas, questionadas sobre como se sentem e o impacto que tem em sua vida.

Pacientes alcoólicos devem ser avaliados, em um primeiro momento, sobre a quantidade de álcool que consomem, a frequência e como isso tem afetado sua saúde física, emocional e as relações interpessoais. Muitas vezes o questionário CAGE não apenas fornece um parâmetro do comprometimento do paciente, mas também o ajuda a entender o quanto está comprometido. Vale lembrar as perguntas que devem ser feitas e que duas respostas positivas sugerem dependência e/ou uso abusivo:

1 – Já tentou reduzir ou parar de beber e não conseguiu?
2 – Já ficou incomodado com os outros por criticarem seu jeito de beber?
3 – Já se sentiu culpado por beber?
4 – Já precisou beber mais para aliviar a ressaca?

Alguns pacientes se beneficiam da redução da bebida como redução de danos e outros se beneficiam da abstinência total. Fundamental é conversar isso com o paciente, para que a decisão da abordagem seja feita em conjunto. Sempre que estiver disponível, contar com apoio da família, amigos e grupos terapêuticos. Reforços positivos devem ser feitos a cada conquista realizada. Muitos pacientes precisam trocar alguns hábitos para diminuir o uso, como frequentar outro lugar ou sair com um grupo de pessoas e é importante que o paciente avalie o impacto que isso terá no seu dia a dia.

Não sabe de cor a dose de todos os medicamentos? o Whitebook te dá uma mãozinha. Clique aqui para baixar.

No guideline publicado pelo American Journal of Psychiatry em janeiro de 2018 são listadas opções medicamentosas com boa evidência, que podem ser utilizadas em caso de falha de tratamento não farmacológico.

– A primeira opção é o naltrexona, cuja contra indicação é insuficiência hepática ou hepatite.

– A segunda opção é o dissulfiram, que se consumido com bebida alcoólica causa muito mal estar. O objetivo é que uma vez ingerido o medicamento, o paciente terá medo de ingerir bebida alcoólica e não beba.

– Outras opções menos comuns, porém com alguma evidência são gabapentina e topiramato.

– Carbamazepina mais uma vez não é citada como droga com eficácia para tratamento do alcoolismo, embora alguns médicos ainda a prescrevam.

– Benzodiazepínicos também não devem ser usados, exceto nos casos de abstinência aguda e antidepressivos só devem ser prescritos quando existe outra doença psiquiátrica que indique seu uso.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autora:

Referências:

  • The American Psychiatric Association Practice Guideline for the Pharmacological Treatment of Patients With Alcohol Use Disorder, janeiro de 2018.

3 Comentários

  1. A NALTREXONA ainda e um remedio muito caro e o Dissulfiram tem muitos efeitos colaterais que levam o paciente a nao tomar o remedio.
    Seria o Topiramato uma alternativa no nosso meio ?
    Qual a dosagem estao utilizando ?
    Obrigado

  2. Muito bom seu artigoParabens pelas informaçao

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.