Alerta! Laboratório encontra toxina paralisante em moluscos em Santa Catarina

A Diretoria de Vigilância de Santa Catarina emitiu um alerta sobre a detecção detecção de toxina paralisante em moluscos bivalves no Estado.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Na última quinta-feira, dia 19, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina emitiu um alerta às autoridades e aos médicos sobre a detecção de toxina paralisante (PSP) em moluscos bivalves (ostras, vieiras, mexilhões e berbigões) no Estado.

As toxinas, que são produzidas por um reduzido número de espécies de microalgas, foram encontradas em cultivos do litoral catarinense pelo Laboratório Laqua-Itajaí/IFSC. Quando acumuladas em organismos marinhos, elas podem causar intoxicação nos seres humanos ao serem consumidas.

Segundo documento da Diretoria, a intoxicação por PSP tem início rápido, de 5 a 30 minutos após a ingestão, e pode causar diarreia, náuseas, vômitos, dores abdominais, perda de sensibilidade nas extremidades do corpo e, em casos graves, paralisia generalizada e óbito por falência respiratória.

Considerando o risco de intoxicação alimentar, a entidade recomenda três condutas a serem adotadas pelos serviços de saúde no âmbito estadual:

  1. As equipes devem ficar alertas para ocorrência de casos suspeitos de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA) em pessoas com histórico de ingestão de moluscos bivalves nas últimas horas, que apresentem alguns dos seguintes sintomas: diarreia, náuseas, vômitos, dores abdominais, perda de sensibilidade nas extremidades do corpo e paralisia generalizada.
  2. Os casos suspeitos deverão ser notificados a Vigilância Epidemiológica Municipal, que dará seguimento à investigação.
  3. Notificar também à Vigilância Epidemiológica Municipal os casos de surto (dois ou mais casos com vínculo epidemiológico).

O tratamento da DTA por causada por toxina do grupo PSP é de suporte e os casos graves devem ser monitorados em ambiente hospitalar.

Como forma de prevenção, a Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca interditou o cultivo, retirada, venda e o consumo de ostras, vieiras, mexilhões e berbigões em todo o litoral de Santa Catarina.

As melhores condutas estão no Whitebook. Clique aqui e baixe o app #1 do médico brasileiro!

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades