Leia mais:
Leia mais:
AAP 2021: estratégias não farmacológicas para ansiedade em adolescentes durante a pandemia
Doenças mentais pós-pandemia: o que podemos fazer enquanto enfermeiros?
Pandemia aumenta casos de ansiedade, depressão e estresse. O que podemos fazer?
A ansiedade: como enfrentá-la no ambiente de trabalho?
Conheça a nomofobia ou no-mobile: a ansiedade por afastamento do celular

Atividade física protege da ansiedade, indica estudo

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Estudos indicam que a prática regular de atividade física pode diminuir o risco de ansiedade. O objetivo dos cientistas foi examinar a relação prospectiva entre atividade física e a ansiedade e explorar possíveis fatores associados.

Metodologia

Pesquisas foram realizadas em grandes bases de dados para estudos prospectivos (pelo menos um ano de seguimento) que calcularam a razão de chances (OR) de ansiedade incidente em pessoas com alto nível de atividade física contra indivíduos com baixo nível de atividade física. A qualidade metodológica foi avaliada usando a Escala de Newcastle-Ottawa (NOS). Uma meta-análise de efeitos aleatórios foi conduzida e a heterogeneidade foi explorada usando subgrupo e análise de meta-regressão.

Resultados

Em 14 coortes de 13 estudos prospectivos exclusivos ( N = 75.831, mediana do sexo masculino = 50.1%) seguido por 357.424 pessoas-ano, pessoas com maior prática de atividade física tinham chances reduzidas de desenvolver ansiedade (odds ratio [OR] = 0,74; 95% de confiança [ IC 95%] = 0,62, 0,88, OR bruto = 0,80, IC 95% = 0,69, 0,92). Mais atividade física autorrelatada foi protetora contra o surgimento de agorafobia (OR = 0,42; 95% IC = 0,18, 0,98) e transtorno de estresse pós-traumático (OR = 0,57; 95% CI = 0,39, 0,85). 

Os efeitos protetores da ansiedade foram evidentes na Ásia (OR = 0,31; IC 95% = 0,10, 0,96) e na Europa (OR = 0,82; IC95% = 0,69, 0,97); para crianças / adolescentes (OR = 0,52; IC95% = 0,29, 0,90) e adultos AOR = 0,81; IC95% = 0,69, 0,95). Os resultados permaneceram robustos ao ajustar os fatores de confusão. A qualidade geral do estudo foi de moderada a alta (média de NOS = 6,7 de 9).

Conclusão

Evidências corroboram a noção de que a atividade física autorrelatada pode conferir proteção contra o surgimento de ansiedade, independentemente dos fatores demográficos. Em particular, níveis mais elevados de atividades físicas protegem contra a agorafobia e o distúrbio pós-traumático.

Benefícios dos exercícios físicos

Os benefícios dos exercícios físicos para a saúde estão bem estabelecidos na literatura médica. Sabe-se que a redução da aptidão física geral resulta em complicações na realização de tarefas cotidianas relacionadas à vida profissional e à prática de atividades físicas e de lazer, aumentando as chances que do desenvolvimento de doenças crônico-degenerativas. Também está associada a transtornos psiquiátricos, como a ansiedade e a depressão.

A relação entre os efeitos benéficos do exercício físico e os transtornos do humor é apontada em diversos estudos que abordam os benefícios psicológicos da prática regular de atividades físicas. 

Entretanto, é necessária a realização de mais estudos com o objetivo de investigar os efeitos e mecanismos pelos quais o exercício físico pode promover essa melhora psicológica e fisiológica nos transtornos de ansiedade.

Comprova-se a existência de estudos que foram realizados considerando os estados de ansiedade utilizando diferentes metodologias e com grande diversidade de variáveis. Principalmente com relação aos sujeitos do estudo, tais como indivíduos jovens, universitários ou atletas que, logicamente, podem ser considerados pré-condicionados, fato que limita a validade das conclusões para populações diferenciadas.

Atualmente, é possível observar que esta tendência vem se estreitando e o número de estudos envolvendo pacientes com transtornos de ansiedade está aumentando.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora: 

Referências:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar