Atualização no diagnóstico e manejo da Rinite Alérgica

Reconhecer os sintomas e o diagnóstico da RA é fundamental para o controle dos casos. Saiba como!

Este conteúdo foi produzido pela PEBMED em parceria com GSK de acordo com a Política Editorial e de Publicidade do Portal PEBMED.

A rinite pode ser compreendida como uma alteração disfuncional da mucosa de revestimento nasal, podendo se manifestar com obstrução nasal, rinorreia, espirros, prurido nasal e hiposmia. Ela pode ter diversos fatores etiológicos, sendo um dos mais prevalentes a reação inflamatória de hipersensibilidade mediada por IgE induzida pela inalação de alérgenos. A esse quadro nomeamos rinite alérgica (RA).1

A prevalência de RA é maior em países desenvolvidos.2 O impacto da RA na qualidade de vida é significativo, sendo um dos principais contribuintes para o custo total do absentismo relacionado à saúde assim como o presenteísmo (produtividade reduzida).3 No Brasil, a prevalência média de sintomas relacionados à rinite alérgica foi 29,6% entre adolescentes e 25,7% entre escolares, números que nos colocam no grupo de países que apresentam as maiores taxas de prevalência de asma e RA no mundo.4 Além disso, o não controle da doença leva à descompensação de outras, como a própria asma, elevando ainda mais os custos em saúde. Reconhecer os sintomas e o diagnóstico da RA é fundamental para o manejo dos casos, sobretudo entre profissionais de saúde.4

 

Definindo a rinite alérgica

A RA pode ser definida como a presença de sintomas nasais causados por reações mediadas por IgE contra alérgenos inalados envolvendo inflamação da mucosa, principalmente, por células T auxiliares tipo 2 (Th2).4,5 Com relação aos sintomas, estes podem incluir paroxismos de espirros, prurido/obstrução nasal, rinorreia, prurido em orofaringe, hiperemia e prurido oculares. É importante ressaltar que pode haver comorbidades, como otite e rinossinusite crônica associadas. A maioria dos pacientes apresenta esses sintomas minutos após o contato com o alérgeno, e parte deles terá novamente cerca de quatro a oito horas depois. Os alérgenos mais importantes incluem pólens e fungos sazonais, bem como alérgenos internos perenes, como ácaros, animais de estimação e pragas.4,5

A coexistência de sibilância pode sugerir a associação com a asma e, nessas situações, a realização de prova de função pulmonar com prova broncodilatadora torna-se indispensável como avaliação complementar.4 Asma e RA apresentam relação próxima por estarem associadas por aspectos fisiopatológicos e epidemiológicos semelhantes. Essa proximidade ficou clara no estudo colaborativo denominado International Study on Asthma and Allergies in Childhood (ISAAC), em que se observou que aproximadamente 80% dos pacientes asmáticos têm RA.4

O diagnóstico da rinite alérgica é baseado, principalmente, em características clínicas, como hipertrofia e palidez dos cornetos inferiores com secreção hialina. Esses sinais estão associados a uma disfunção do epitélio, vasos, glândulas e nervos e são originados de um infiltrado de células inflamatórias, mediadores inflamatórios e citocinas. Essas alterações prejudicam o processo de aquecimento, umidificação e filtração do ar inspirado.4 A dosagem de IgE total e específica, assim como o teste cutâneo para antígenos específicos podem ser úteis na detecção de atopia e corroborar com o diagnóstico. A rinoscopia e a tomografia computadorizada de seios da face podem ser realizadas para diagnóstico diferencial.4

Evidências crescentes sugerem que exposições ambientais, mudanças climáticas e estilo de vida são fatores de risco importantes para a RA.6 Os três elementos-chave do manejo da RA são:

  1. redução da exposição ao alérgeno sensibilizante, que inclui um espectro de recomendações de prevenção ambiental específicas para o alérgeno,
  2. farmacoterapia direcionada e
  3. imunoterapia subcutânea ou sublingual em casos selecionados.1

De forma geral, a terapia começa com anti-histamínicos orais, frequentemente iniciados pelo paciente, e a sua combinação com corticosteroides nasais aparenta ter melhores resultados em estudos controlados.1 Os corticosteroides nasais são as medicações mais usadas para a rinite alérgica e apresentam boa eficácia no controle de sintomas.1 Entre as drogas mais utilizadas, o spray nasal de furoato de fluticasona (FF) tem apresentado boa resposta e segurança na faixa etária pediátrica e adulta. Além disso, estudos recentes têm demonstrado uma afinidade maior do FF pelo receptor de glicocorticoides quando comparado a outros corticoides nasais levando ao aumento de sua potência anti-inflamatória e redução na necessidade de utilizar antialérgicos orais.7

A imunoterapia deve ser considerada em casos de rinite alérgica persistente moderada/grave que não responderam satisfatoriamente à terapia convencional. Uma das principais barreiras para o sucesso do tratamento com a imunoterapia é o fato de que, normalmente, estes pacientes costumam ser alérgicos a mais de um tipo de substância, dificultando, assim, a identificação do alérgeno candidato à vacina.1

A inclusão de medidas gerais e educação do paciente é etapa importante na abordagem da rinite alérgica. A fumaça do cigarro, principal poluente doméstico, pode causar efeitos nocivos no epitélio respiratório, sendo um fator de risco tanto para a rinite alérgica quanto para a asma. Uma boa prática de higiene nasal, com afastamento de exposições e tratamento adequado com anti-histamínicos orais e corticosteroides nasais, tende a ser a estratégia mais recomendada e aceita pela maioria dos pacientes4. A terapia adequada pode melhorar significativamente a qualidade de vida e impactar os resultados clínicos de curto e longo prazo.

 

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • 1. Sakano E, et al. IV Consenso Brasileiro sobre Rinites – 2017. Documento conjunto da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial e Sociedade Brasileira de Pediatria. Disponível em: <http://www.sbai.org.br/imageBank/consenso-rinite-9-27-11-2017_final.pdf>. Acesso em: 30 mar 2023.
  • 2. Benninger M, Farrar JR, Blaiss M, et al. Evaluating approved medications to treat allergic rhinitis in the United States: an evidence-based review of efficacy for nasal symptoms by class. Ann Allergy Asthma Immunol 2010;104:13-29.
  • 3. Bousquet J, et al.  Allergic Rhinitis and  its Impacts on Asthma  2008 Update. Allergy Clin Immunol 2008;63(Suppl 86):8–160.
  • 4. Ibiapina CC, Sarinho ESC, Camargos PAM, Andrade CR, Cruz Filho ÁAS. Allergic Rhinitis: epidemiological aspects, diagnosis and treatment. J Bras Pneumol. 2008;34(4):230-240.
  • 5. Wheatley LM, Togias A. Clinical practice. Allergic rhinitis. N Engl J Med. 2015 Jan 29;372(5):456-63. doi: 10.1056/NEJMcp1412282.
  • 6. Okubo K, Kurono Y, Ichimura K, Enomoto T, Okamoto Y, Kawauchi H, Suzaki H, Fujieda S, Masuyama K; Japanese Society of Allergology. Japanese guidelines for allergic rhinitis 2020. Allergol Int. 2020 Jul;69(3):331-345. doi: 10.1016/j.alit.2020.04.001. Epub 2020 May 27.
  • 7. Meltzer, E. O. et al. Efficacy and safety of once-daily fluticasone furoate nasal spray in children with seasonal allergic rhinitis treated for 2 wk. Pediatr. Allergy Immunol. 20, 279–286 (2009).
  • PM-BR-FLF-LTR-230001 - Dezembro/23