Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Enfermagem / Aumento de casos caninos alerta para prevenção da leishmaniose visceral
protozoários em imagem digitalizada, causadores da leishmaniose visceral

Aumento de casos caninos alerta para prevenção da leishmaniose visceral

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Apesar de ter havido uma redução de 50% nos casos confirmados de leishmaniose visceral em humanos, o número de casos da doença canina subiu 440% entre 2018 e 2019, na cidade do Rio de Janeiro. Os bairros que lideraram o ranking foram: Campo Grande (25), Lins de Vasconcelos (17), Engenho Novo (9) e Engenho de Dentro (9). Vale destacar que a região do Grande Méier somou 45 casos.

A leishmaniose é uma doença causada pelos protozoários pertencentes ao gênero Leishmania spp.. A transmissão da leishmaniose se dá através de vetores, no caso são os flebotomíneos (birigui ou mosquito palha) e não através do contato direto com a pessoa ou o animal contaminado ou secreções. Uma vez que o agente etiológico da leishmaniose visceral canina é o mesmo agente da leishmaniose visceral humana, é importante prevenir a leishmaniose canina para evitar a leishmaniose humana.

Mais do autor: Como o enfermeiro deve abordar a intoxicação alcoólica?

Leishmaniose visceral

Até 2017 o tratamento da leishmaniose canina não era permitido para evitar a indução de resistência do protozoário, a indicação era de sacrifício do animal. Em 2017 foi autorizado o tratamento com medicamento exclusivo para cães, mas tem um alto custo.

Como prevenir a doença em cães: usar coleiras repelentes nos cães (troca conforme o fabricante, mas varia entre seis e noves meses) e fazer a vacinação.

Como prevenir a doença em humanos:

  • Usar repelentes;
  • Instalar tela de malha fina;
  • Usar roupas longas ao praticar trilhas em mata fechada.

Medidas adjuvantes de prevenção são: manter os arredores da residência limpo, sem água parada e sem acúmulo de matéria orgânica (folhas, pelos, fezes, restos de comida…).

Quer saber mais sobre condutas em enfermagem? Baixe grátis o aplicativo Nursebook, agora disponível em Android e iOS.

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviço. Guia de vigilância em saúde: volume 3 [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2017
  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de vigilância da leishmaniose tegumentar [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2017
  • Leite BMM, Solcà MDS, Santos LC S, Coelho LB, Amorim LDAF, Donato LE, et al. The mass use of deltamethrin collars to control and prevent canine visceral leishmaniasis: a field effectiveness study in a highly endemic area. PLoS Negl Trop Dis [Internet]. 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.