Home / Colunistas / Avaliação da sepse infantil: uma iniciativa americana de qualidade

Avaliação da sepse infantil: uma iniciativa americana de qualidade

Colunistas, Emergências, Pediatria, Sepse, Terapia Intensiva
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 3 minutos.

A febre sem foco em bebês em bom estado geral entre sete a 60 dias de vida é um desafio comum para os profissionais de saúde. A causa mais frequente nesses bebês é viral. Contudo, a febre também é um sintoma inicial comum de infecções bacterianas, como meningite e infecção do trato urinário (ITU), por exemplo. Como essas infecções bacterianas podem ser fatais (sepse), milhares de bebês febris nessa faixa etária são avaliados anualmente por suspeita desse tipo de infecção nos Estados Unidos, o que muitas vezes leva a hospitalização desnecessária, já que, a maioria desses pacientes, a suspeita não se confirma.

Existe uma variabilidade substancial da prática entre os pediatras em termos de avaliação e de tratamento, incluindo exames de sangue, culturas microbiológicas, testes virais, análise do líquido cefalorraquidiano (LCR), uso de antibióticos empíricos, indicação de hospitalização e tempo de permanência hospitalar. Os prejuízos causados aos pacientes pelo excesso de exames solicitados e do tratamento empírico são difíceis de quantificar.

Veja também: Sepse na pediatria: quais são as condições de risco elevado

Em 2016, o grupo American Academy of Pediatrics (AAP) Value in Inpatient Pediatrics (VIP) network projetou e implementou um estudo nacional americano para melhoria da qualidade (quality improvement – QI) com o objetivo de padronizar o atendimento a lactentes de sete a 60 dias de idade em bom estado geral com febre sem foco. O projeto, intitulado “Reduzindo a Variabilidade Excessiva na Avaliação da Sepse Infantil” (Reducing Variability in the Infant Sepsis Evaluation – REVISE) ofereceu educação baseada em evidências, estratégias de implementação e ferramentas para o atendimento aos prestadores de serviços de departamentos de emergência e unidades de internação pediátricos (UTIP) americanos.

O objetivo principal do REVISE foi padronizar, melhorar a hospitalização adequada e o tempo de internação hospitalar nessa população de bebês por meio de uma colaboração nacional de QI. O estudo de Biondi e colaboradores foi publicado em setembro pela revista americana Pediatrics.

sepse revista

REVISE: o estudo sobre sepse pediátrica

A iniciativa REVISE foi projetada para padronizar o atendimento a lactentes em bom estado geral, com idades entre sete a 60 dias, avaliados por febre sem foco. Foram coletados dados referentes a dois períodos nos departamentos de emergência e unidades de internação participantes: 12 meses da linha de base e 12 meses de implementação de dados.

Foram excluídos os bebês em mau estado geral e aqueles com comorbidades. Os locais participantes receberam ferramentas de alteração, gráficos de execução, um aplicativo móvel, webinars ao vivo, treinamento e LISTSERV. As análises foram realizadas através de gráficos estatísticos de controle de processos e regressão de séries temporais interrompidas.

As duas medidas de resultado foram: a porcentagem de bebês hospitalizados que foram avaliados e hospitalizados adequadamente e a porcentagem de bebês hospitalizados que receberam alta com um período de internação adequado.

Resultados

No total, 124 hospitais de 38 estados americanos forneceram dados sobre 20.570 crianças. A mediana de melhora na porcentagem de bebês que foram avaliados e hospitalizados adequadamente e naqueles com tempo de internação hospitalar apropriado foi de 5,3% (intervalo interquartil = 22,5% a 13,7%) e 15,5% (intervalo interquartil = 2,9 a 31,3), respectivamente. A variação de causa especial em relação à meta foi identificada para ambas as medidas. Não houve alteração no tratamento tardio ou infecções bacterianas não diagnosticadas (diferença de inclinação 0,1; intervalo de confiança de 95%, 28,3 a 9,1).

Leia mais: Choque séptico em pediatria: quais corticosteroides usar?

Os autores destacam que houve melhorias nos aspectos principais do manejo de bebês febris, incluindo a proporção de lactentes hospitalizados adequadamente e o tempo de permanência hospitalar. Além disso, projetos semelhantes a esse podem ser usados para melhorar o atendimento de crianças em outras condições clínicas.

Autor:

Referência bibliográfica:

  • BIONDI, E. A. et al. Reducing Variability in the Infant Sepsis Evaluation (REVISE): A National Quality Initiative. Pediatrics, v.144, n.3, 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.