Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Infectologia / Benefícios e riscos da terapia antirretroviral na prevenção da transmissão vertical de HIV
vírus na corrente sanguínea

Benefícios e riscos da terapia antirretroviral na prevenção da transmissão vertical de HIV

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

O estudo PROMISE – Promoting Maternal and Infant Survival Everywhere – comparou a eficácia e segurança de várias estratégias retrovirais comprovadas para a prevenção da transmissão vertical (passada da mãe para o filho) de HIV durante a gravidez entre mulheres assintomáticas infectadas pelo vírus com contagem de células CD4 alta.

As participantes do estudo foram randomizadas para os seguintes grupos:

1) zidovudina e nevirapina de dose única mais tenofovir e emtricitabina por 1-2 semanas no pós-parto (grupo zidovudina);
2) zidovudina, lamivudina e lopinavir-ritonavir (grupo terapia antirretroviral à base de zidovudina);
3) tenofovir, emtricitabina, e lopinavir-ritonavir (terapia baseada em tenofovir).

A transmissão do HIV com 1 semana de idade no recém-nascido e a segurança da mãe e da criança foram os desfechos avaliados.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Os resultados do estudo mostraram a eficácia da terapia antirretroviral com três medicamentos na prevenção da transmissão vertical do HIV. Todos os três regimes avaliados apresentaram taxa de transmissão inferior a 2%, mas os regimes de terapia antirretroviral apresentaram taxas de transmissão significativamente mais baixas do que no grupo zidovudina (0,5% versus 1,8%).

A taxa de sobrevida livre de HIV infantil até a semana 1 foi significativamente maior (ou seja, a taxa de transmissão precoce ou morte foi significativamente menor) com terapia antirretroviral à base de zidovudina do que com zidovudina sozinho ou com a terapia baseada em tenofovir. No entanto, ambos os regimes de terapia antirretroviral foram associados com maiores taxas de eventos adversos quando comparados com zidovudina.

Veja também: ‘Os 12 cuidados imediatos do RN exposto ao HIV’

Como conclusão a terapia antirretroviral pré-natal resultou em taxas significativamente mais baixas de transmissão precoce do HIV do que a zidovudina, mas com um risco maior de desfechos de segurança maternos e neonatais.

Autor:

Referências:

  • Fowler MG, Qin M, Fiscus SA, Currier JS, Flynn PM, Chipato T, et al. Benefits and Risks of Antiretroviral Therapy for Perinatal HIV Prevention. N Engl J Med [Internet]. 2016;375(18):1726–37. Available from: https://www.nejm.org/doi/10.1056/NEJMoa1511691

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.