Página Principal > Caso Clínico > Caso clínico: paciente apresenta epistaxe, febre vespertina e emagrecimento
médico lendo

Caso clínico: paciente apresenta epistaxe, febre vespertina e emagrecimento

Paciente do sexo masculino, 55 anos, natural do Rio de Janeiro, procurou um serviço de emergência com aumento do volume abdominal, epistaxe, febre vespertina e emagrecimento (10 kg em 2 meses). Não há outros dados relevantes na história pregressa.

No exame físico, apresenta esplenomegalia volumosa (baço palpável a 11 cm do rebordo costal) e indolor, diversas petéquias em membros inferiores; ausência de linfonodomegalia, hepatomegalia e icterícia.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

O hemograma revela pancitopenia grave (Hb: 9.4 g/dl, plaquetas: 32000/mm³ e leucometria 1700 cél/mm³), com linfocitose relativa (67%) e monocitopenia (6%). Sorologias para hepatite, HIV I e II, HTLV e VDRL negativas.

Foi solicitada USG abdominal, que mostrou baço com volume aumentado e ecotextura homogênea, medindo cerca de 19 cm em seu maior eixo, sem outras alterações.

Caso clínico

Paciente do sexo masculino, 55 anos, natural do Rio de Janeiro, procurou um serviço de emergência com aumento do volume abdominal, epistaxe, febre vespertina e emagrecimento (10 kg em 2 meses). Não há outros dados relevantes na história pregressa.

No exame físico, apresenta esplenomegalia volumosa (baço palpável a 11 cm do rebordo costal) e indolor, diversas petéquias em membros inferiores; ausência de linfonodomegalia, hepatomegalia e icterícia.

O hemograma revela pancitopenia grave (Hb: 9.4 g/dl, plaquetas: 32000/mm³ e leucometria 1700 cél/mm³), com linfocitose relativa (67%) e monocitopenia (6%). Sorologias para hepatite, HIV I e II, HTLV e VDRL negativas.

Foi solicitada USG abdominal, que mostrou baço com volume aumentado e ecotextura homogênea, medindo cerca de 19 cm em seu maior eixo, sem outras alterações.

Autora:

2 Comentários

  1. Nesse caso qual seria a hipótese diagnóstica principal? Leucemia?

    • Ana Carolina Pomodoro

      Olá, Carla. As doenças hematológicas são sim a principal hipótese diagnóstica, sendo necessário prosseguir com a investigação para fechar o diagnóstico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.