Caso clínico: prurido ocular é sempre alergia?

Tempo de leitura: 2 minutos.

Paciente do sexo masculino de 60 anos com queixa de desconforto ocular, ardência, lacrimejamento e prurido. Acorda com os olhos colados pela manhã. Já fez cirurgia de catarata em ambos os olhos. HPP: usa losartana para tratamento de hipertensão arterial, trata dermatite seborreica com dermatologista. HF nega.

Ao exame

Refração:

  • OD +3,50 esf (0.8);
  • OE +2,75 esf (0.8);
  • ADD para perto +3,00 esf (J1).

BIO: Pálpebras com bordo avermelhado, sem alguns cílios, crostas amareladas e colaretes ao redor da base dos cílios, saída de secreção espessa das glândulas de meibomius, folículos em conjuntiva tarsal inferior, BUT < 3 seg, ceratite punctata leve inferior em ambos os olhos. Restante sem alterações.

Tonometria de aplanação as 8h: OD 14 mmHg OE 12 mmHg.

Fundoscopia sem alterações em ambos os olhos.

O Whitebook lançou uma nova seção: o Atlas de Oftalmologia! Baixe o aplicativo e acesse!

O que esse paciente tem?

Blefarite seborreica + disfunção lacrimal

A blefarite é uma inflamação não contagiosa das pálpebras, caracterizada pela produção excessiva de gordura pelas glândulas palpebrais, criando uma condição favorável para o crescimento de bactérias. Muitas vezes, apresenta-se como um quadro recorrente de terçol ou conjuntivite por esse motivo. Afeta frequentemente pessoas que tem tendência a apresentar pele oleosa e seborreia.

As pálpebras superior e inferior estão recobertas por crostas oleosas e bactérias em torno da base dos cílios. Produz escamas parecidas com caspa e partículas que se formam ao longo dos cílios e pálpebras. Em alguns pacientes, ocorre somente irritação e prurido leve, porém em outros pode causar ardência e sensação de areia nos olhos, associada também ao olho seco evaporativo. A blefarite pode levar a complicações mais graves, como inflamação da córnea (ceratite), geralmente associada à disfunção lacrimal.

Como é uma condição crônica, o tratamento é de controle através de algumas medidas diárias como a higiene das pálpebras e compressas mornas para drenagem das glândulas; o uso de lubrificantes oculares para melhora da qualidade da lágrima; uso de anti-inflamatórios tópicos em casos selecionados para reduzir a inflamação ocular.

Nem sempre prurido ocular é alergia ocular. Fique atento aos demais sinais!

No Whitebook você encontra a melhor conduta para essa e outras patologias de oftalmologia, além de imagens e descrições. Baixe e acesse o novo Atlas de Oftalmologia!

Veja mais casos clínicos:

Autora:

Relacionados