Home / Caso Clínico / Caso clínico: tratamento de queloide espontânea
caso clínico queloide

Caso clínico: tratamento de queloide espontânea

Caso Clínico, Dermatologia
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 3 minutos.

No caso clínico de hoje vamos abordar dois incidentes com pacientes que apresentaram queloide, e demonstraremos como realizar o tratamento em cada caso. Confira.

1. Paciente masculino, 39 anos com histórico de aparecimento espontâneo de queloides esporadicamente em tórax e dorso, desde a puberdade. Cirurgias prévias: criptorquidia na infância e varicocele há quatro anos. Ambas as cicatrizes de boa qualidade. Os queloides foram previamente tratados com bleomicina com bom resultado. Entretanto alguns começam a proliferar novamente.

2. Paciente feminina, 24 anos com aparecimento de queloide em lobo de orelha após uso de brincos. Tratamento com triancinolona injetável e excisão cirúrgica.

Diferentemente de cicatrizes hipertróficas que regridem espontaneamente, isso não acontece com os queloides. Estes se caracterizam por lesões brilhantes, pruriginosas e dolorosas que ultrapassam os limites da cicatriz inicial. De difícil tratamento e comum recidiva após exérese. O tratamento dos queloides espontâneos é o mesmo de lesões isoladas. Como preconizado pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e em vários trabalhos da literatura nenhum tratamento isolado se mostrou eficaz.

O paciente 1 foi tratado com bleomicina com bons resultados, apesar da recente recidiva de algumas lesões. Na maioria das vezes terapias associadas são a melhor solução.

Leia mais: O que causou estas queloides?

O tratamento diminui a dor e a coceira reduzindo, e em alguns casos fazendo a lesão desaparecer por completo. A resposta ao tratamento, entretanto, é imprevisível e o paciente deve ser informado que terapias alternativas poderão ser necessárias.

Os tratamentos disponíveis incluem:

  • triancinolona injetável: injeções intralesionais realizadas a cada 21 dias.
  • outras drogas injetáveis: bleomicina (como no caso em questão), 5 fluoracil e medicamentos ainda não disponíveis no Brasil como INF-alpha, INF-beta e INF-gama.

Os tratamentos acima visam diminuir a proliferação anormal de fibroblastos e a formação excessiva de colágeno fatores responsáveis pela formação dos queloides. O tratamento cirúrgico é muitas vezes eficiente mas com recidiva em alguns pacientes. Para diminuir essa recorrência podemos usar uma técnica conhecida como debulking retirando a maior parte do queloide e deixando uma pequena porção evitando novo crescimento.

Outras formas de tratamento incluem compressão mecânica, laser , crioterapia e pomadas e cremes como alguns a base de gel de silicone. Em casos refratários ao tratamento podemos usar radioterapia em baixas doses , iniciando tratamento até 24 horas após a cirurgia. O tratamento é desafiador quando as lesões são múltiplas. O apoio psicológico em casos graves é fundamental.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Güleç AT, Karaduman A, Seçkin D: Noonan syndrome: a case with recurrent keloid formation. Cutis 2001; 67: 315–316.
  • Goeminne L: A new probably X-linked inherited syndrome: congenital muscular torticollis, multiple keloids, cryptorchidism and renal dysplasia. Acta Genet Med Gemellol (Roma) 1968; 17: 439–467.
  • Haugen OH, Bertelsen T: A new hereditary conjunctivo-corneal dystrophy associated with dermal keloid formation. Report of a family. Acta Ophthalmol Scand 1998; 76: 461–465.
  • Ly L, Winship I: X-linked recessive polyfibromatosis manifesting with spontaneous keloid scars and Dupuytren’s contracture. Australas J Dermatol 2012; 53: 148–150.
  • Atwal PS, Blease S, Braxton A: Novel X-linked syndrome of cardiac valvulopathy, keloid scarring, and reduced joint mobility due to filamin A substitution G1576R. Am J Med Genet A 2016; 170A: 891–895.
  • Jfri A, Rajeh N, Karkashan E: A case of multiple spontaneous keloid scars. Case Rep Dermatol 2015; 7: 156–160.
  • Oittinen HA, O’Shaughnessy M: Multiple nonsyndromic spontaneous keloids in allergic disease. Plast Reconstr Surg 2007; 119: 762–763.
  • McCabe J, Blades Z, McGrath EE: A spontaneous skin lesion. CMAJ 2008; 179: 1297–1299.
  • Monarca C, Maruccia M, Palumbo F: A rare case of postauricular spontaneous keloid in an elderly patient. In Vivo 2012; 26: 173–175.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.