Página Principal > Colunistas > Cifoplastia: tratamento das fraturas vertebrais osteoporóticas do idoso
paciente idosa sendo consultada

Cifoplastia: tratamento das fraturas vertebrais osteoporóticas do idoso

Tempo de leitura: 4 minutos.

As fraturas osteoporóticas dos corpos vertebrais se tornaram cada vez mais frequentes com a evolução etária da população mundial. Essas lesões são responsáveis por importante limitação funcional desses pacientes, reduzindo a qualidade de vida e aumentando uso crônico de analgésicos.

A cifoplastia, injeção de cimento intravertebral pelo método de balão, apresenta baixa morbidade com alta resposta terapêutica à dor, possibilitando o retorno desses pacientes imediatamente às suas respectivas rotinas, diminuindo os potenciais riscos de uma imobilização temporária.

De 2009 a 2015, 93 pacientes foram tratados com fraturas osteoporóticas da coluna vertebral em hospitais da rede privada na cidade do Rio de Janeiro, sendo 68% mulheres e 32% homens, apresentando uma proporção etária definida como: inferior a 60 anos = 1%, 60 a 70 anos = 18%, 71 a 80 anos = 33% e acima de 80 anos = 48%. Todos foram submetidos à avaliação radiológica através de RX de coluna, Tomografia com reconstrução sagital e RNM para confirmar a natureza aguda da fratura.

Todos os pacientes foram avaliados no pré e pós-operatórios através da escala Visual Analógica de dor (EVAS) e da escala de Oswestry. Fraturas com colabamento superior a 75% da altura do corpo vertebral e importante abaulamento do muro posterior foram excluídas devido ao maior risco de lesão por extravasamento do cimento para o canal vertebral.

A. Imagem sobre o mecanismo de balão intra-vertebral. B. Corpo vertebral lombar ou torácico íntegro. C. Fratura por colapso do corpo vertebral decorrente doença osteoporótica do corpo. D. Punção do corpo vertebral fraturado por técnica minimamente invasiva através de incisão de 1 cm na pele e punção transpedicular com posicionamento da cânula de trabalho e passagem do balão dentro do corpo vertebral. Realizado controle radiológico durante todo procedimento. Fonte: imagens fornecidas pela “Kyphon®”

 

E. Após o posicionamento do balão ele será insuflado, realizando a redução parcial da fratura vertebral criando uma cavidade no corpo vertebral. F. Desinsuflado o balão, sendo mantida a cavidade para a inserção do metacrilato. G. Retirado o balão e inserido a cânula para injeção do cimento ósseo e início do preenchimento total da cavidade (volume de 1-2ml). H. Após a secagem do metacrilato é retirada a cânula de trabalho e encerrado o procedimento. Fonte: imagens fornecidas pela “Kyphon® ”

 

Desses 93 pacientes avaliados, 68 pacientes foram submetidos ao procedimento, sendo 17 à vertebroplastia e 51 à cifoplastia. A distribuição dos níveis de fraturas foram D5=9,1%, D8=9,1%, D9=5,2%, D10=1,3%, D11=3,9%, D12=22%, L1=23,4%, L2=11,7%, L3=14,3% e L4=6,5%. Os pacientes submetidos ao procedimento cirúrgico apresentaram uma melhora no EVA de 7 pontos (média) e de 40 pontos na escala de Oswestry.

Entre todos os pacientes submetidos ao procedimento, apenas em dois casos ocorreu um pequeno extravasamento do cimento para a região subligamentar sem estar associado a déficit clínico ou neurológico. Os pacientes submetidos ao procedimento, em geral, receberam alta no dia seguinte.

Figura 1: fratura osteoporótica de L3 e L4. Realizada cifoplastia em dois níveis.

Vários estudos clínicos nos últimos anos têm demonstrado as vantagens da cifoplastia no tratamento das fraturas vertebrais quando comparada com o tratamento conservador. A melhora expressiva nas escalas de dor, a redução do uso de analgésicos e a retomada das atividades rotineiras de forma precoce são decisivas para indicação do procedimento. Outra evidência nesses estudos foi que o percentual de fratura secundária e a piora do índice de colapso vertebral foi maior no grupo em tratamento conservador.

Em nossa série de casos, os pacientes submetidos aos procedimentos percutâneos de cifoplastia apresentaram significativa melhora nas queixas álgicas, alto índice de satisfação e ausência de complicações clínicas. A seleção criteriosa dos pacientes a serem submetidos, preferencialmente a cifoplastia, leva a um alto grau de resposta terapêutica possibilitando curta estadia hospitalar, baixa morbidade/complicação e retorno precoce às suas atividades rotineiras.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui para se inscrever!

Autor:

Referências:

  • Grafe IA, Da Fonseca K, Hillmeier J, et al. Reduction of pain and fracture incidence after kyphoplasty: 1-year outcomes of prospective controlled trial of patients with primary osteoporosis. Osteoporos Int. 2005;16(12):2005-2012.
  • Bouza C, Lopez T, Magro A, Navalpotro L, Amate JM. Efficacy and safety of balloon kyphoplasty in the treatment of vertebral compression fractures: a systematic review. Eur Spine J. 2006;15(7):1050-1067.
  • Wardlaw D, Cummings S, Van Meirhaeghe J, et al. Efficacy and safety of balloon kyphoplasty compared with non-surgical care for vertebral compression fracture: a randomised controlled trial. Lancet. 2009;373(9668):1016-1024.
  • Miller DL. Patient radiation dose from vertebroplasty and kyphoplasty. Radiology. 2005;234(3):970-971.
  • Taylor RS, Taylor RJ, Fritzell P. Balloon kyphoplasty and vertebroplasty for vertebral compression fractures: a comparative systematic review of efficacy and safety. Spine (Phila Pa 1976). 2006;31(23):2747-2755.
  • Eck J, Nachtigall D, Humphreys S, Hodges SD. Comparison of vertebroplasty and balloon kyphoplasty for treatment of vertebral compression fractures: a meta-analysis of the literature. Spine J. 2008;8(3):488-497.
  • Taylor RS, Fritzell P, Taylor RJ. Balloon kyphoplasty in the management of vertebral compression fractures: an update systematic review and meta-analysis. Eur Spine J. 2007;16(8):1085-1100.
  • Garfin SR, Buckley RA, Ledlie J; Balloon Kyphoplasty Outcomes Group. Balloon kyphoplasty for symptomatic vertebral body compression fractures result in rapid, significant, and sustained improvement in back pain, function, and quality of life for elderly patients. Spine (Phila Pa 1976). 2006;31(19):2213-2220.
  • Borgstrom F, Zethraeus N, Johnell O, et al. Cost and quality of life associated with osteoporosis-related fractures in Sweden. Osteoporos Int. 2006;17(5):637-650.
  • Silverman SL, Minshall ME, Shen W, et al. The relationship of health-related quality of life to prevalent and incident vertebral fractures in postmenopausal women with osteoporosis: results from the Multiple Outcomes of Raloxifene Evaluation Study. Arthritis Rheum. 2001;44(11):2611-2619.
    qsgC VCC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.