Cirurgia bariátrica em adolescentes pode ser benéfica?

Um estudo publicado recentemente no jornal Pediatrics analisa se cirurgia bariátrica em adolescentes é benéfica para casos de obesidade grave.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Um estudo publicado recentemente no jornal Pediatrics mostrou que os adolescentes mais jovens em risco de obesidade grave beneficiam-se da cirurgia bariátrica tanto quanto os adolescentes mais velhos, não devendo a idade ser motivo para a não realização do procedimento.

Nas últimas décadas, a obesidade vem crescendo exponencialmente, tanto nos países em desenvolvimento quanto nos desenvolvidos, onerando a saúde e a economia mundiais. Nos Estados Unidos, afeta 13,7 milhões de crianças, das quais 6% atendem à definição de obesidade grave. O aumento da obesidade infantil trouxe o surgimento de doenças crônicas que só existiam na idade adulta, como hipertensão, dislipidemia e diabetes mellitus tipo 2, condições associadas a uma diminuição de cinco a vinte anos na expectativa de vida.

As cirurgias metabólica e bariátrica (CMB) têm se mostrado como tratamentos eficazes e duráveis para a obesidade e suas complicações, com a perda de peso e as melhorias na saúde superando as alcançadas com as terapias não cirúrgicas. Recentemente, as diretrizes pediátricas da American Society for Metabolic and Bariatric Surgery removeram a recomendação de se atingir a altura adulta ou maturidade puberal antes de prosseguir com a CMB, eliminando assim as restrições de idade mais jovem. A American Academy of Pediatrics defende o aumento do uso e do acesso a CMB para pacientes pediátricos e reconhece evidências insuficientes para apoiar as limitações de elegibilidade com base na idade.

Um estudo publicado recentemente no jornal Pediatrics analisa se cirurgia bariátrica em adolescentes é benéfica para casos de obesidade grave.

O estudo sobre cirurgia bariátrica em adolescentes

Sendo assim, no período entre março de 2007 a dezembro de 2011, 242 adolescentes com idade igual ou inferior a 19 anos e que se submeteram à cirurgia bariátrica em cinco centros clínicos nos Estados Unidos, foram inscritos no estudo prospectivo e multicêntrico Teen–Longitudinal Assessment of Bariatric Surgery. Os pacientes foram divididos em dois grupos, cujos resultados foram comparados: um grupo tinha 66 adolescentes com idades entre 13 e 15 anos e o outro grupo era composto por 162 adolescentes com idades entre 16 e 19 anos. Os participantes foram avaliados posteriormente após seis meses, um ano e, em seguida, anualmente durante os quatro anos seguintes à cirurgia, completando cinco anos, sendo que 230 dos 242 participantes (95%) permaneceram ativos no estudo.

Os desfechos incluíram alteração percentual do índice de massa corpórea (IMC), comorbidades (hipertensão, dislipidemia e diabetes mellitus tipo 2), anormalidades de micronutrientes (ferritina, folato, vitamina B12, vitamina D, vitamina A e paratohormônio) e métricas de qualidade de vida durante os cinco anos após a cirurgia. Por causa do pequeno número de participantes submetidos à banda gástrica laparoscópica ajustável (n=14), apenas aqueles submetidos a derivação gástrica em Y de Roux (RYGB) (n = 161) ou gastrectomia vertical (n=67) foram analisados.

Os pesquisadores descreveram que a coorte geral era predominantemente feminina (75%) e branca (72%) e tinha um IMC inicial médio de 52,6. As características basais, exceto para a idade, entre as 2 coortes foram semelhantes. Não foram observadas diferenças significativas na frequência de remissão da hipertensão (P = 0,84) ou dislipidemia (P = 0,74) entre os grupos. A remissão do diabetes mellitus tipo 2 foi alta em ambos os grupos, embora estatisticamente maior em adolescentes mais velhos (risco relativo de 0,86; P = 0,046). A perda de peso e a qualidade de vida foram semelhantes nas duas faixas etárias. Adolescentes mais jovens eram menos propensos a desenvolver transferrina elevada (razão de prevalência 0,52; P = 0,048) e baixos níveis de vitamina D (razão de prevalência 0,8; P = 0,034).

Os achados deste estudo apoiam o uso de intervenção precoce com base na indicação clínica em vez de apenas na idade, proporcionando ao paciente uma oportunidade de atingir um IMC normal após a cirurgia, promovendo resolução das complicações da obesidade e reduzindo o número de anos obesos na vida de uma criança.

Os pesquisadores, no entanto, destacam o fato de que os pacientes mais jovens são incapazes de compreender completamente os riscos, benefícios e mudanças de estilo de vida ao longo da vida que vêm com a CMB. No entanto, o retardo em se indicar a cirurgia, pode expor os adolescentes a medicamentos insuficientemente estudados para obesidade e comorbidades, além de aumentar o risco de exposição à saúde da criança, o que pode representar um desafio ético ainda maior. Estudos mais recentes com adolescentes revelam taxas mais baixas de complicações, em comparação a adultos, e taxas de complicações comparáveis ​​em pacientes pediátricos mais jovens e mais velhos. O envolvimento da família é mais comum e necessário nos pacientes mais jovens, para garantir a conformidade com suplementos e acesso a alimentos saudáveis. Todavia, adolescentes mais velhos correm o risco de abandono durante a transição para a idade adulta, enfatizando a necessidade de acompanhamento a longo prazo para esta população única. É possível que o início precoce dos hábitos pós-operatórios e o aumento da supervisão na coorte mais jovem levem para o padrão de deficiências nutricionais visto neste estudo e pode apoiar um papel para uma intervenção precoce.

Concluindo

A obesidade grave em crianças é uma comorbidade de risco elevado, associada a muitos problemas de saúde, mas que, infelizmente, pode não responder a tratamentos conservadores, como mudanças no estilo de vida ou uso de medicamentos. No entanto, há necessidade de mais dados, fatores familiares e psicológicos também estão envolvidos, mas talvez o encaminhamento precoce de uma cirurgia bariátrica em adolescentes com casos de falhas no tratamento conservador deva ser considerado como uma possibilidade para evitar complicações futuras.

Referência bibliográfica:

  • Ogle SB, Dewberry LC, Jenkins TM, Inge TH, Kelsey M, Bruzoni M, Pratt JSA. Outcomes of Bariatric Surgery in Older Versus Younger Adolescents. Pediatrics. 2021 Feb 1:e2020024182. doi: 10.1542/peds.2020-024182. Epub ahead of print. PMID: 33526606.

 

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão