Página Principal > Cirurgia Plástica > Cirurgia plástica em adolescentes: o que devemos considerar
estetoscópio em cima de uma prescrição médica

Cirurgia plástica em adolescentes: o que devemos considerar

Tempo de leitura: 3 minutos.

A adolescência é uma fase da vida humana caracterizada por inúmeras transformações que se processam tanto no aspecto orgânico como na esfera psicossocial. A grande maioria dos adolescentes passa por experiências evolutivas que incluem:

  • aceitação de seu corpo e seu correspondente gênero masculino ou feminino;
  • estabelecimento de novas amizades com pessoas da mesma idade e de ambos os sexos;
  • inserção e aceitação no seu grupo de jovens.

A popularização das cirurgias plásticas e a distorção estética do corpo ideal, massificadas através dos meios de comunicação, principalmente televisão e Internet, tornaram a busca da perfeição um objetivo a ser alcançado não só pelos adultos como também pelos adolescentes, que procuram melhorar sua autoestima e autoimagem, visando uma melhor aceitação social.

Segundo a Associação Americana de Cirurgia Plástica (ASPS), houve aumento acentuado de cirurgias em adolescentes em 2016.

ORIENTAÇÕES PARA CIRURGIA PLÁSTICA ÉTICA EM ADOLESCENTES:

1) Discuta todos os pontos da cirurgia com o adolescente envolvendo os responsáveis.

2) Tratamento de Acne pode envolver laser ou peelings químicos.

3) Botox e preenchedores apenas se houver indicação médica não estética.

4) Mamaplastia de aumento acima de 18 anos de idade.

5) Mamaplastia redutora e uso de implantes para correção de assimetria mamária é aceitável após esclarecimentos aos responsáveis.

6) Ginecomastia e otoplastia podem ser realizadas.

7) Rinoplastia em casos excepcionais. Mulheres entre 15 e 17 anos. Homens entre 17 e 19 anos.

8) Lipoaspiração deve ser evitada. Troque por reeducação alimentar.

9) Procure um cirurgião plástico da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

10) Bom senso nunca é demais.

Mais do autor: ‘Cirurgia Plástica Estética – como identificar um paciente não elegível?’

O fenômeno da globalização modificou bastante os objetivos e expectativas dos adolescentes de todas as camadas sociais, já que o pleno acesso às mais variadas informações e a grande influência dos meios de comunicação criaram novos modelos e modismos em curtos períodos de tempo. Os conceitos de autoestima e autoimagem são extremamente importantes na adolescência, na qual a aceitação grupal e o convívio social são pontos fundamentais para o desenvolvimento da maturidade e da independência.

Entre as características psicológicas da chamada síndrome normal da adolescência, encontramos a atemporalidade, configurada pelo imediatismo de ações e um imaginário exageradamente fantasioso, características essas que podem ser erroneamente manuseadas pelos diversos profissionais que lidam com essa faixa etária. Muitas vezes, decisões impulsivas e impensadas de correções estéticas podem induzir a sérios problemas psicológicos futuros, fundamentalmente por não terem atingido suas expectativas imaginárias.

As cirurgias estéticas na adolescência devem ser discutidas pelo pediatra clínico e pelo cirurgião plástico, com o objetivo de se atingir um julgamento cirúrgico adequado, devendo ser valorizados aspectos como:

– idade ideal para correção;
– inserção social;
– estabilidade emocional;
– autoestima e autoimagem;
– higidez física;
-bom senso.

É médico e também quer ser colunista do Portal PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

Referências:

  • Cosmetic Surgery National Data Bank Statistics. Aesthet Surg. J 2017:37(Suppl 2):1-29
  • Greydanus DE, Patel DR, Pratt HD. Breast disorders. In: Essential Adolescent Medicine. McGraw-Hill Medical Publishing Division. 2006;569-90.
  • Neinstein LS. Health screening and evaluation. In: Adolescent health care. Philadelphia: Williams & Wilkins. 1996;61-110.
  • Davis AJ, Kulig JW. Adolescent breast disorders. Adolescent health update. 1996;9(1).
  • Kreipe RE. Overweight adolescents: clinical challenges and strategies. Adolescent Health Update. 1998;10(2).
  • Strassburger VC, Brow RT. The office visit. Adolescent medicine: a practical guide. 2 ed. Lippincott-Raven. 1998.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.