Página Principal > Colunistas > Clamídia: existe rastreamento?
medico segurando uma prancheta durante o atendimento com paciente

Clamídia: existe rastreamento?

Tempo de leitura: 1 minuto.

A clamídia é uma IST que nos homens é sintomática, mas nas mulheres nem sempre. A cronificação de uma infecção por clamídia pode levar a doença inflamatória pélvica, além de dor crônica e infertilidade. Sendo assim, por que ainda é incomum o rastreamento de clamídia?

Em alguns países, como Reino Unido, a pesquisa de clamídia em mulheres sexualmente ativas é realizada na mesma periodicidade que outros testes para detecção de infecções sexualmente transmissíveis (geralmente quando há troca de parceiro ou durante o pré-natal).

No Brasil, ainda é incomum essa prática, embora de acordo com a US Task Force ela tenha recomendação B. O exame é feito com coleta de swab cervical, que é enviado ao laboratório para detecção da infecção através de PCR ou captura híbrida.

A Febrasgo atualmente recomenda essa triagem e é provável que ao longo dos próximos anos essa prática se popularize. A clamídia, ao mesmo tempo em que pode evoluir para dor crônica e infertilidade, se diagnosticada em fase inicial pode ser tratada facilmente, sendo o tratamento mais comum o uso de azitromicina 1g dose única.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autora:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.