Página Principal > Clínica Médica > Como classificar a Lesão Renal Aguda? O que mudou?
lesao renal aguda

Como classificar a Lesão Renal Aguda? O que mudou?

Tempo de leitura: 2 minutos.

A lesão renal aguda (LRA) ou injúria renal aguda (IRA) é um problema da saúde pública considerável devido a sua alta relação com a doença renal crônica a curto e longo prazo, e, além disso, tratar-se de uma enfermidade relativamente prevenível. A sua incidência na população varia de 2.147 a 4.085 casos por milhão de habitantes por ano em países desenvolvidos. A mortalidade associada a IRA foi inversamente proporcional à renda dos países e a porcentagem de arrecadação destinada ao sistema de saúde.

A sepse é o principal fator etiológico seguida de nefrotoxicidade medicamentosa / contraste iodado e pós-operatório. A abordagem diagnóstica já foi descrita aqui no Portal da PEBMED.

A LRA já foi classificada por diversos protocolos, dentre os quais os famosos RIFLE – risk (R: risco), injury (I: injúria), failure (F: falência), loss (L: perda mantida da função) e end-stage kidney disease (E: insuficiência renal terminal) – do grupo ADQI (2004), AKIN – Acute Kidney Injury Network  (2007) e, atualmente, utiliza-se o KDIGO – Kidney Disease Improving Global Outcomes  (2012) que incorporou as duas definições prévias.

ESTÁGIO

CREATININA SÉRICA

DÉBITO URINÁRIO

1

1.5-1.9 vezes a basal em 7 dias

ou

>0.3mg/dl em 48hs

<0.5 ml/kg/h por 6-12hs

2

2.0-2.9 vezes a basal

<0.5ml/kg/h por > 12hs

3

3.0 vezes a basal

Ou

Elevação da creatinina basal para >4mg/dl

Ou

Início de TRS

Ou

Em pacientes < 18 anos, queda no RFG estimado pra <35 ml/min por 1.73 m2

<0.3ml/kg/h por >24hs ou Anúria por >12 horas

Os diferentes estágios da LRA auxiliam na determinação de gravidade. O estadiamento é recomendado pelo KDIGO, em virtude do conjunto de evidências atuais associar o estágio da LRA à necessidade de terapia renal substitutiva (TRS), com risco, a longo prazo, de desenvolvimento de doença cardiovascular, evolução para DRC e mortalidades intra e extra-hospitalares, mesmo após a aparente resolução da LRA.

Existe prevenção? Claro! Veja as recomendações do Jornal Brasileiro de Nefrologia:

injuria renal aguda
Retirado de: J Bras Nefrol 2013:35(1):1-5

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autora:

Fernanda Almeida Andrade

Médica pela Universidade Anhanguera UNIDERP ⦁ Clínica Médica em andamento na UFMS

Referências:

  • KDIGO. Clinical Practice Guideline for Acute Kidney Injury. Kidney Int 2012; (Suppl) 2: 1-138
  • LI, Philip Kam Tao; BURDMANN, Emmanuel A.; MEHTA, Ravindra L.. Injúria renal aguda: um alerta global. J. Bras. Nefrol., São Paulo , v. 35, n. 1, p. 1-5, Mar. 2013.
  • Hoste EA, Clermont G, Kersten A, Venkataraman R, Angus DC, De Bacquer D et al. RIFLE criteria for acute kidney injury are associated with hospital mortality in critically ill patients: a cohort analysis. Crit Care. 2006;10(3):R73.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.