Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Enfermagem / Cuidados Paliativos / Comunidade LGBTQ+: Cuidados paliativos e acesso à saúde

Comunidade LGBTQ+: Cuidados paliativos e acesso à saúde

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O próximo dia 28 de junho é reconhecido mundialmente como o Dia do Orgulho LGBTQ+ (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transsexuais, queer ou questionando), data histórica marcada pela Rebelião de Stonewall símbolo de resistência diante dos abusos policiais em Nova York no ano de 1969.

Apesar da história de luta e resistência por direitos, até hoje pessoas LGBTQ+ sofrem perseguições, violências e discriminação em relação a sua orientação sexual ou identidade de gênero, e particularmente no acesso aos serviços de saúde.

LGBTQ+ e saúde

No contexto de saúde, apesar da atenção dada a redução das disparidades na população LGBTQ+ na última década ter aumentado, quando comparado a pessoas cisgênero e heterossexuais essas minorias continuam enfrentando iniquidades em saúde. No contexto brasileiro, ainda que haja iniciativas como a Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, na prática pessoas LGBTQ+ declaram que os médicos não estão preparados para atendê-las.

Leia também: Cuidados Paliativos e Enfermagem: recomendações durante o uso de morfina

Segundo dados publicados pelo projeto irlandês The Rainbow, 20% das pessoas LGBTQ+ não saberiam onde acessar suporte ou aconselhamento em relação à sua saúde mental e bem-estar; 30% dos entrevistados não procuraram ajuda quando experenciaram depressão e 40% nunca acessaram centros de saúde sexual. Quando questionados o porquê associado a não procura por serviços de saúde sexual, entrevistados referiram que preocupações em relação a discriminação, experiências pessoais negativas e ainda uma relutância em discutir questões com o médico, foram os principais motivos.

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), refere que apesar do acesso à saúde estar garantido por lei, os desafios para que essa população seja assistida em sua integralidade são inúmeros e se dão principalmente pelo estigma e preconceito praticados muitas vezes pelos próprios profissionais de saúde que colocam estes indivíduos em situação de risco de receberem tratamento desrespeitoso e abusivo em locais que deveriam acolher e preservar o bem-estar e a dignidade humana.

Sendo o acesso à saúde uma dificuldade enfrentada para que essas pessoas sejam assistidas integralmente, o cuidado direcionado aos pacientes com doenças avançadas e progressivas que necessitam da abordagem do Cuidado Paliativo (CP) é ainda mais desafiador, principalmente na fase final de vida, período em que fica mais evidente as situações de vulnerabilidade dessa população.

Por definição Cuidado Paliativo é uma abordagem que promove a qualidade de vida de pacientes (adultos e crianças) e seus familiares, que enfrentam doenças que ameaçam a vida. Previne e alivia sofrimentos por meio de identificação precoce, avaliação correta de dor e outros sintomas ou problemas sejam de ordem física, psicossocial ou espiritual. Deve ser integrado desde o diagnóstico e intensificado de acordo com a progressão da doença e ainda mais na fase final de vida.

Ainda são poucos os grupos de pesquisa que se debruçam em compreender a experiência do adoecimento e os desafios que a comunidade LGBTQ+ enfrenta diante de doenças progressivas, avançadas e em fase final de vida, no entanto, alguns estudos podem elucidar algumas questões e nos direcionar para construção de um sistema de saúde mais justo. Segue abaixo alguns destaques.

Veja mais: Enfermagem: profissão do passado, presente e futuro

Cuidados paliativos

Principais questões e desafios relacionados ao Cuidado Paliativo e comunidade LGBTQ+:

  1. Homofobia e transfobia de muitos profissionais da saúde;
  2. Pessoas LGBTQ+ antecipam a possibilidade de discriminação e violência e, portanto, procuram menos os serviços de saúde e consequentemente quase não recebem CP;
  3. Muitos serviços de saúde ao ofertar a abordagem do CP não atendem as necessidades espirituais de pessoas LGBTQ+ e de sua rede apoio da mesma maneira que ofertam aos outros pacientes;
  4. Existe uma sobrecarga maior nos cuidadores de pessoas LGBTQ+ principalmente em relação ao acesso tardio a abordagem do CP e menor rede de apoio, muitos pacientes têm seu primeiro atendimento quando já estão na fase final de vida;
  5. Necessidade forçada pela equipe de saúde para que a pessoa declare sua orientação sexual ou identidade de gênero;
  6. Discriminações sofridas anteriormente no acesso à saúde que dificultam a aceitação do cuidado na fase final de vida;
  7. Barreiras financeiras, legais e institucionais que limitam a participação dos parceiros ou entes queridos na tomada de decisão;
  8. Obstáculos legais para que os parceiros recebam benefícios sociais, gerando sofrimento adicional ao paciente;
  9. Suposições falsas de que a morte está relacionada a HIV/AIDS;
  10. O luto privado, ou seja, dor dos parceiros que muitas vezes não podem reconhecer publicamente o seu sofrimento e, portanto, não são apoiados ou não recebem os cuidados necessários;
  11. Invisibilidade social de pessoas LGBTQ+ idosas;
  12. Muitos pacientes optarão por estar cercados de amigos e grupos de apoio ao invés da família biológica, podendo gerar conflitos adicionais;
  13. Problemas com comunicação por parte dos profissionais de saúde: falta de conhecimento, educação, treinamento de competências, preconceitos conscientes e inconscientes, crenças em suposições ao invés da compreensão da experiência com pacientes LGBTQ+ criam barreiras adicionais na comunicação eficaz e consequentemente no cuidado prestado.

Principais recomendações para melhoria do acesso à saúde e Cuidado Paliativo:

  • Treinamento e aquisição de competências constante das equipes de saúde;
  • Criar oportunidade e espaço para que os pacientes durante os encontros divulguem sua orientação e / ou identidade de gênero, preferências de cuidado e valores;
  • Instituições devem acolher o desconforto dos profissionais da saúde e promover a auto reflexão e análise crítica da equipe de saúde em relação aos preconceitos;
  • Treinamento para aquisição de habilidades de comunicação e de escuta qualificada;
  • Agregar sempre à assistência os princípios do cuidado centrado na pessoa;
  • Reconhecer e saber orientar a existência de recursos e apoio à comunidade LGBTQ+
  • Viabilizar um trabalho intersetorial onde serviços de saúde possam contar com grupos de apoio à comunidade LGBTQ+;
  • Promoção de serviços de saúde em que pessoas LGBTQ+ sintam-se seguras e acolhidas;
  • Permitir que o paciente defina quem é a família e o papel da família em relação aos seus cuidados e tomada de decisão;
  • Acolher a rede de apoio que o paciente escolhe como família;
  • Estender os serviços de luto e apoio ao luto para família escolhida e outras pessoas próximas;
  • Promover o cuidado espiritual e os rituais desejados;
  • Promover a continuidade de cuidado;
  • Sistemas de saúde com objetivo de promover um cuidado integral e acesso à saúde devem priorizar ações que visibilizem minorias e capacitem profissionais para o atendimento de excelência dessa população, além disso, todos os envolvidos devem admitir que a experiência do adoecimento é única e deve ser acolhida nas suas mais diversas singularidades.

Mais da autora: Quais os cuidados de enfermagem durante o óbito e pós-óbito?

O mais importante é que profissionais da saúde compreendam que as desigualdades já enfrentadas cotidianamente pelas pessoas LGBTQ+ se tornam ainda mais intensas durante a descoberta de uma doença ameaçadora de vida.

Ofertar o Cuidado Paliativo e especialmente cuidados em fase final de vida para pacientes, familiares e cuidadores dessas pessoas, é uma necessidade urgente que começa pela discussão e desconstrução das práticas vigentes em saúde ofertadas às pessoas LGBTQ+ e ainda mais pela busca contínua dos princípios da dignidade da pessoa humana e da garantia de acesso à saúde.

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Palliative Care Australia. Compassionate communities: An implementation guide for community approaches to end of life care. [Internet]; 2018; [citado em junho de 2020].
  • Cloyes KG, Hull W, Davis A. Palliative Care and End-of-Life care for Lesbian, Gay, Bisexual, and Transgender (LGBT) cancer patients and their Caregivers. Seminars in Oncology Nursing. [Internet]; 2018; [citado em junho de 2020].
  • MDiv PS, Gentille D. Cultural Humility: A Way to Reduce LGBTQ Health Disparities at the End of Life. American Journal of Hospice & Palliative Medicine®. [Internet]; 2020; [citado em junho de 2020].
  • Marie Curie UK (org). “Hiding who I am”: The reality of end of life care for LGBT people. [Internet]; 2017; [citado em junho de 2020].
  • Honorato L. Apesar de políticas, população LGBT enfrenta dificuldades no acesso à saúde. Jornal Estadão. [Internet]; 2019; [citado em junho de 2020]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.