Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cardiologia / Cortar apenas 300 calorias por dia para beneficiar o coração
garfo e faca em cima da mesa

Cortar apenas 300 calorias por dia para beneficiar o coração

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 3 minutos.

Reduzir a ingestão diária de alimentos pelo equivalente a apenas um par de biscoitos, ou cerca de 300 calorias, em dois anos leva não apenas a melhorias na composição corporal, mas a uma série de fatores de risco cardiometabólicos. Isso pode resultar em reduções na incidência de doenças cardiovasculares, segurem os resultados de um estudo inovador.

O estudo de Avaliação Abrangente de Efeitos em Longo Prazo da Redução da Ingestão de Energia (CALERIE) é um estudo de fase 2 que envolveu mais de 200 indivíduos normais acima do peso, mas saudáveis ​​até os 50 anos de idade.

Eles foram designados para uma dieta de restrição calórica personalizada, combinada com sessões de aconselhamento individual e em grupo, com o objetivo de reduzir o consumo de energia em 25%, ou um grupo controle ad libitum, que continuou com a sua dieta normal.

Os pesquisadores do Duke University School of Medicine relatam que os indivíduos do grupo de intervenção realmente alcançaram uma redução média de 12% no consumo de energia em dois anos, com uma perda de peso média de 7,5 Kg.

Isso foi associado a melhorias significativas nos níveis de lipídios acima do valor basal, bem como melhor sensibilidade à insulina, escores de síndrome metabólica e níveis de proteína C-reativa. A pesquisa, publicada online em 11 de julho na Lancet Diabetes & Endocrinology, mostrou que, em comparação, não houve mudanças significativas nos indivíduos designados para a dieta normal.

Leia mais:  Dia Mundial da Atividade Física: os 5 melhores exercícios para praticar

Assim, as significativas melhorias cardiometabólicas observadas no estudo foram alcançadas, apesar da maioria dos pacientes no grupo de intervenção não ter atingido as suas metas de ingestão de energia e redução de peso.

“Isso mostra que até mesmo uma modificação que não é tão severa quanto a que usamos neste estudo poderia reduzir a carga de diabetes e doenças cardiovasculares que temos neste país”, observaram os autores.

“As pessoas podem fazer isso com bastante facilidade, simplesmente observando as suas pequenas indiscrições aqui e ali, ou talvez reduzindo a quantidade delas, como não lanchar depois do jantar”, sugere o estudo.

As mudanças vistas são de importância substancial para a saúde pública, mesmo quando iniciadas em pessoas saudáveis, jovens e de meia-idade, e não obesas.

Em um editorial de acompanhamento, Frank B. Hu, MD, PhD, do Departamento de Nutrição e Epidemiologia, de Harvard, descreve o estudo como “inovador”. Ele destacou como pontos fortes o grande tamanho da amostra, a medição cuidadosa do consumo e do gasto de energia, além de taxas relativamente altas de retenção e adesão e dados detalhados sobre biomarcadores de envelhecimento e risco cardiometabólico.

Perda de gordura foi responsável por 70% da perda de peso no grupo de intervenção

Os autores explicam que a severa restrição calórica tem um “poderoso efeito protetor” contra fatores de risco ateroscleróticos, como o espessamento da camada média da artéria carótida (IMT), a redução da função diastólica do ventrículo esquerdo e a baixa variabilidade da frequência cardíaca.

No entanto, o impacto da restrição calórica a longo prazo sobre os fatores de risco cardiometabólico em adultos jovens e saudáveis ​​é menos claro.

Os pesquisadores, portanto, conduziram o CALERIE, um estudo randomizado controlado envolvendo indivíduos de três centros clínicos norte-americanos com peso normal ou levemente acima do peso, definido como índice de massa corporal (IMC) de 22,0 a 27,9 kg / m 2 .

Homens com idades entre 21-50 anos e mulheres na pré-menopausa com idade entre 21-47 anos foram incluídos. Os participantes foram randomizados em uma proporção de 2: 1 para uma intervenção de restrição calórica com o objetivo de reduzir a ingestão de calorias em 25% ou para o grupo controle ad libitum.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora: 

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.