Covid-19 deve ser classificada como uma febre viral trombótica, defende estudo da Fiocruz

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Um grupo de pesquisadores defende que a Covid-19 passe a ser classificada como uma febre viral trombótica, ao invés de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). O artigo foi publicado na revista científica Memórias do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e assinado por dez especialistas que atuam em seis instituições de assistência médica e pesquisa científica brasileiras.

Isso porque, ao contrário do que se pensava no começo da pandemia, novos estudos mostram que a Covid-19 vai muito além dos quadros pulmonares. E que o novo coronavírus seria o primeiro agente reconhecido por aumentar a formação de coágulos que podem obstruir a circulação.

Leia também: Anvisa autoriza produção de insumo da vacina AstraZeneca pela Fiocruz

“Encontramos evidências irrefutáveis ​​na literatura atual de que a Covid-19 é a primeira doença viral que pode ser marcada como uma febre trombótica viral. Este manuscrito aponta que SARS CoV-2 vai muito além da pneumonia ou SARS. As infecções por Covid-19 promovem interações notáveis ​​entre o endotélio, a coagulação e a resposta imunológica, construindo um fundo capaz de promover uma “tempestade trombótica”, muito mais do que uma “tempestade de citocinas”. A importância de uma protease viral chamada protease principal (Mpro) é destacada como um componente-chave para a replicação do SARS-CoV-2 na célula hospedeira. Uma análise mais aprofundada dessa protease e de sua importância no sistema de coagulação também é discutida pela primeira vez, principalmente por sua semelhança com as moléculas de trombina e fator Xa, como recentemente apontado por comparação estrutural de estruturas cristalográficas”, diz um dos trechos do estudo.

Covid-19 deve ser classificada como uma febre viral trombótica, defende estudo da Fiocruz

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Novos levantamentos comprovam o estudo, dizem cientistas

De acordo com o artigo, na Holanda, um levantamento identificou complicações ligadas à formação excessiva de coágulos em 16% dos pacientes em unidades de terapia intensiva, incluindo casos de embolia pulmonar, acidente vascular cerebral (AVC) e trombose venosa.

Já em uma pesquisa francesa, o índice passou de 40%. Ademais, em indivíduos que vieram a óbito devido à infecção, análises constataram danos significativos ao endotélio (tecido que reveste os vasos sanguíneos). As pesquisas indicam ainda que o novo coronavírus infecta as células endoteliais e que a inflamação do tecido favorece um estado de hipercoagulação.

“Em pacientes internados, vemos manifestações trombóticas a despeito da prática clínica usual de tromboprofilaxia. Também há descrição de eventos tromboembólicos após a alta hospitalar, e a formação excessiva de coágulos é observada nas análises histopatológicas em casos de óbito por Covid-19”, afirmou o coordenador da UTI do Hospital Pró-Cardíaco e primeiro autor do artigo, Rubens Costa Filho, em entrevista ao portal da Fiocruz.

Importância da classificação

Para o grupo de pesquisadores brasileiros, a classificação de febre viral trombótica reflete o avanço no conhecimento sobre o agravo e pode contribuir para o manejo clínico dos casos e as pesquisas científicas.

“Essa definição coloca em evidência a necessidade de medidas para monitorar e tratar as alterações da coagulação e aponta para questões que precisam ser esclarecidas, como a identificação de biomarcadores de gravidade, que possam ser utilizados para orientar as condutas terapêuticas”, disse o pesquisador do Laboratório de Virologia Comparada e Ambiental do IOC e autor sênior do estudo, José Paulo Gagliardi Leite, também em entrevista ao portal da Fiocruz.

Saiba mais: CROI 2021: como funciona a resposta imune contra o SARS-CoV-2?

A mudança de classificação não impactaria os atuais sistemas de monitoramento que tanto contribuem para a definição de estratégias públicas de saúde, segundo os autores do estudo.

“A SRAG é uma nomenclatura utilizada para retratar um acometimento clínico inespecífico, uma vez que pode abranger uma série de manifestações. Já a febre viral trombótica, representaria uma síndrome específica. Essa definição é fundamental na área da Saúde”, ressaltou Costa Filho.

Os cientistas ressaltam que a Covid-19 é uma doença complexa, com manifestações em diversos órgãos, do cérebro ao aparelho gastrointestinal. A classificação de febre viral trombótica baseia-se no impacto comprovado da infecção sobre a coagulação sanguínea, que traz alto risco de letalidade. No entanto, outras características da enfermidade não devem ser esquecidas, como o grave comprometimento pulmonar.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar