Covid-19 deve ser classificada como uma febre viral trombótica, defende estudo da Fiocruz

Um grupo de pesquisadores defende que a Covid-19 passe a ser classificada como uma febre viral trombótica, ao invés de SRAG.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Um grupo de pesquisadores defende que a Covid-19 passe a ser classificada como uma febre viral trombótica, ao invés de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). O artigo foi publicado na revista científica Memórias do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e assinado por dez especialistas que atuam em seis instituições de assistência médica e pesquisa científica brasileiras.

Isso porque, ao contrário do que se pensava no começo da pandemia, novos estudos mostram que a Covid-19 vai muito além dos quadros pulmonares. E que o novo coronavírus seria o primeiro agente reconhecido por aumentar a formação de coágulos que podem obstruir a circulação.

Leia também: Anvisa autoriza produção de insumo da vacina AstraZeneca pela Fiocruz

“Encontramos evidências irrefutáveis ​​na literatura atual de que a Covid-19 é a primeira doença viral que pode ser marcada como uma febre trombótica viral. Este manuscrito aponta que SARS CoV-2 vai muito além da pneumonia ou SARS. As infecções por Covid-19 promovem interações notáveis ​​entre o endotélio, a coagulação e a resposta imunológica, construindo um fundo capaz de promover uma “tempestade trombótica”, muito mais do que uma “tempestade de citocinas”. A importância de uma protease viral chamada protease principal (Mpro) é destacada como um componente-chave para a replicação do SARS-CoV-2 na célula hospedeira. Uma análise mais aprofundada dessa protease e de sua importância no sistema de coagulação também é discutida pela primeira vez, principalmente por sua semelhança com as moléculas de trombina e fator Xa, como recentemente apontado por comparação estrutural de estruturas cristalográficas”, diz um dos trechos do estudo.

Covid-19 deve ser classificada como uma febre viral trombótica, defende estudo da Fiocruz

Novos levantamentos comprovam o estudo, dizem cientistas

De acordo com o artigo, na Holanda, um levantamento identificou complicações ligadas à formação excessiva de coágulos em 16% dos pacientes em unidades de terapia intensiva, incluindo casos de embolia pulmonar, acidente vascular cerebral (AVC) e trombose venosa.

Já em uma pesquisa francesa, o índice passou de 40%. Ademais, em indivíduos que vieram a óbito devido à infecção, análises constataram danos significativos ao endotélio (tecido que reveste os vasos sanguíneos). As pesquisas indicam ainda que o novo coronavírus infecta as células endoteliais e que a inflamação do tecido favorece um estado de hipercoagulação.

“Em pacientes internados, vemos manifestações trombóticas a despeito da prática clínica usual de tromboprofilaxia. Também há descrição de eventos tromboembólicos após a alta hospitalar, e a formação excessiva de coágulos é observada nas análises histopatológicas em casos de óbito por Covid-19”, afirmou o coordenador da UTI do Hospital Pró-Cardíaco e primeiro autor do artigo, Rubens Costa Filho, em entrevista ao portal da Fiocruz.

Importância da classificação

Para o grupo de pesquisadores brasileiros, a classificação de febre viral trombótica reflete o avanço no conhecimento sobre o agravo e pode contribuir para o manejo clínico dos casos e as pesquisas científicas.

“Essa definição coloca em evidência a necessidade de medidas para monitorar e tratar as alterações da coagulação e aponta para questões que precisam ser esclarecidas, como a identificação de biomarcadores de gravidade, que possam ser utilizados para orientar as condutas terapêuticas”, disse o pesquisador do Laboratório de Virologia Comparada e Ambiental do IOC e autor sênior do estudo, José Paulo Gagliardi Leite, também em entrevista ao portal da Fiocruz.

Saiba mais: CROI 2021: como funciona a resposta imune contra o SARS-CoV-2?

A mudança de classificação não impactaria os atuais sistemas de monitoramento que tanto contribuem para a definição de estratégias públicas de saúde, segundo os autores do estudo.

“A SRAG é uma nomenclatura utilizada para retratar um acometimento clínico inespecífico, uma vez que pode abranger uma série de manifestações. Já a febre viral trombótica, representaria uma síndrome específica. Essa definição é fundamental na área da Saúde”, ressaltou Costa Filho.

Os cientistas ressaltam que a Covid-19 é uma doença complexa, com manifestações em diversos órgãos, do cérebro ao aparelho gastrointestinal. A classificação de febre viral trombótica baseia-se no impacto comprovado da infecção sobre a coagulação sanguínea, que traz alto risco de letalidade. No entanto, outras características da enfermidade não devem ser esquecidas, como o grave comprometimento pulmonar.

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão