Home / Colunistas / Crioterapia sistêmica após exercício físico funciona para acelerar recuperação de atletas ou amadores?

Crioterapia sistêmica após exercício físico funciona para acelerar recuperação de atletas ou amadores?

Colunistas, Ortopedia
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

Há alguns anos, a palavra atleta era sinônimo de saúde e pensava-se que quanto mais se treinava era melhor para o corpo humano. Com os estudos das últimas décadas, principalmente no campo da fisiologia e biomecânica, começou-se a observar a necessidade de “dosar” melhor a intensidade, frequência e duração do treinamento para reduzir os efeitos nocivos decorrentes da alta demanda metabólica e biomecânica do exercício físico.

Assim, atletas de alta performance e amadores com alto nível de exigência física podem estar sujeitos a lesões devido à sobrecarga mecânica imposta pela atividade de impacto/repetição ou lesões bioquímicas, decorrentes do acúmulo de ácido lático e o crescimento do estresse oxidativo, com aumento de radicais livres.

Leia mais: Concussão no esporte: quando retirar o atleta do jogo?

A tentativa de reduzir os efeitos nocivos do exercício físico intenso e recuperar rapidamente o atleta é motivo de estudos, com diferentes técnicas e modalidades terapêuticas. Dentre os meios utilizados, a crioterapia sistêmica ou crioimersão corporal, ou mesmo imersão corporal em baixa temperatura, tem sido bastante utilizada em clínicas ortopédicas, clubes de futebol, etc.

Embora o protocolo de aplicação não esteja bem definido, e esse é um grande motivo de discussão, alguns estudos apontam que a temperatura da água a 10º, com imersão corporal até a região da cintura, por 10 minutos parece ser o protocolo mais utilizado.

Teoricamente, a crioterapia sistêmica apresenta benefícios fisiológicos, como a redução do fluxo sanguíneo,  da taxa metabólica, da condução nervosa e do quadro doloroso, o que, consequentemente, poderia acelerar o processo de recuperação e reduzir o risco lesão (prevenção). Entretanto, a crioimersão corporal realmente funciona? Revisões sistemáticas com metanálise, publicadas recentemente, apontam para baixa evidência dos efeitos do procedimento na recuperação de atletas de elite e amadores após a realização de exercício físico.

Existe a recomendação sobre a necessidade de futuros estudos de alta qualidade metodológica para entender melhor: a) qual o melhor momento para fazer a crioimersão? b) qual a temperatura ideal? c) qual o tempo ideal de exposição? d) quais são os reais efeitos fisiológicos (benéficos) provocados pela crioimersão? e) quão duradouro são os efeitos, 24h, 48h, 96h? f) a exposição a temperaturas extremas pode provocar efeitos adversos?

Portanto, utilização da crioimersão corporal como modalidade terapêutica deve ser analisada com mais cautela e não deve ser aplicada de forma indiscriminada.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  •  Bleakley C, McDonough S, Gardner E, Baxter GD, Hopkins JT, Davison GW. Cold-water immersion (cryotherapy) for preventing and treating muscle soreness after exercise. Cochrane Database Syst Rev. 2012 Feb 15;(2):CD008262.
  • Costello JT, Baker PR, Minett GM, Bieuzen F, Stewart IB, Bleakley C. Whole-body cryotherapy (extreme cold air exposure) for preventing and treating muscle soreness after exercise in adults. Cochrane Database Syst Rev. 2015 Sep 18;(9):CD010789.
  • Hohenauer E, Taeymans J, Baeyens JP, Clarys P, Clijsen R.The Effect of Post-Exercise Cryotherapy on Recovery Characteristics: A Systematic Review and Meta-Analysis. PLoS One. 2015 Sep 28;10(9):e0139028.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.