Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Cuidados paliativos na atenção primária à saúde
Paciente recebe cuidados paliativos no âmbito da atenção primária à saúde

Cuidados paliativos na atenção primária à saúde

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Os cuidados paliativos fazem parte do escopo de atuação da atenção primária à saúde (APS). Tanto o cuidado paliativo quanto a APS têm por definição o trabalho em equipe como base do cuidado. E por que isso é tão importante?

Vamos falar sobre o controle sintomático em pacientes em cuidados paliativos (exclusivos ou não). Independente do sintoma, devemos entendê-los de forma integral, fazendo uma abordagem das esferas físicas, sociais, psicológicas e espirituais (figura abaixo).

Leia também: Blog do Nursebook: saiba mais sobre a seção de Cuidados Paliativos

Esferas de abordagem

  • Esfera física: engloba a busca pela etiologia dos sintomas, a avaliação minuciosa das patologias de base, possíveis danos das intervenções diagnósticas e terapêuticas. Anamnese e exame físico minuciosos são fundamentais, e os exames complementares podem ser úteis também;
  • Esfera psicológica: medo do sofrimento, experiências traumáticas prévias, ansiedade e antecipação da dor e do desconforto que está por vir. Sentimentos de desesperança e desamparo agravam os sintomas. O desconhecimento da sua condição de saúde pode perpetuar o sofrimento psicológico;
  • Esfera espiritual: questionamentos de sua fé. Negação ou barganha com Deus (ou com sua crença superior). Sentimento de culpa e busca do porquê estar acontecendo justamente com essa pessoa. Solidão e incertezas;
  • Esfera social: entender e acolher a mudança do papel na família e na sociedade. Adaptação das novas condições de vida. Dependência de terceiros para seus cuidados e atividades básicas da vida diária. Relação com o trabalho. Dignidade. Preocupações financeiras, com pendências e planos futuros. Medo do julgamento do outro.

É improvável que apenas um profissional consiga abordar todas essas esferas do sofrimento humano. Sendo preciso cuidado, compaixão, conhecimento e diversos olhares para conseguir entender e manejar os sintomas de forma ampla e integral. É por isso que o trabalho em equipe, tanto na APS quanto nos cuidados paliativos, é indispensável. Não se faz isso sozinho. Negligenciar uma dessas esferas do sofrimento pode comprometer todo o controle sintomático.

A definição de cuidados paliativos da Organização Mundial da Saúde (OMS) contempla de forma clara a avaliação impecável dos sintomas: “Assistência promovida por uma equipe multidisciplinar, que objetiva a melhoria da qualidade de vida do paciente e seus familiares, diante de uma doença ou agravo que ameace a continuidade da vida, por meio da prevenção e alívio do sofrimento, da identificação precoce, avaliação impecável e tratamento de dor e demais sintomas físicos, sociais, psicológicos e espirituais.

E quais são os sintomas mais comuns a serem manejados?

  • Dor;
  • Dispneia;
  • Náuseas e vômitos;
  • Diarreia e obstipação;
  • Soluço, sialorreia;
  • Alterações do apetite;
  • Alterações do sono;
  • Fadiga;
  • Confusão mental;
  • Sintomas depressivos ou ansiosos;
  • Sintomas da pele.

Pensar que cada sintoma desse deve ser avaliado de forma global só reafirma a necessidade do trabalho em equipe e a importância do protagonismo e autonomia do paciente nas decisões sobre seus cuidados. O método clínico centrado na pessoa é uma ferramenta essencial, seguir seus quatro passos permite definir as prioridades de cuidado daquela pessoa, respeitando sua autonomia. São eles:

  1. Explorando a saúde, a doença e a experiência da doença.
  2. Entendendo a pessoa como um todo.
  3. Elaborando um plano comum de manejo.
  4. Intensificando a relação entre a pessoa e o profissional.

Sempre há o que fazer para melhorar as condições de vida das pessoas. E os atributos da APS reforçam essa ideia.

Ouça também: Coronavírus e Cuidados Paliativos: estratégias desenvolvidas para o cuidado dos pacientes [podcast]

Mensagem final

Para conseguir avaliar e tratar de forma impecável os sintomas dos pacientes (e seus familiares) em cuidados paliativos na APS, é preciso um trabalho em equipe e colaborativo, pois cada questão tem, no mínimo, quatro esferas a serem consideradas: física, psicológica, espiritual e social. Levar em consideração os recursos disponíveis: profissionais, vínculo, redes de apoio, conhecimento da família, da comunidade e do território, insumos (medicamentos, materiais, etc.), e sempre lutar e advogar em prol da qualidade de vida da população que está sob os cuidados da equipe na atenção primária à saúde.

E você, tem dificuldade na abordagem sintomática dos pacientes em cuidados paliativos na atenção primária à saúde? Já atendeu algum caso de difícil manejo? Ficou com alguma dúvida?

Conte para nós nos comentários!

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP). Manual de Cuidados Paliativos, 2ª edição. São Paulo: ANCP, 2012.
  • Gusso G, Lopes JMC, Dias LC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: Princípios, Formação e Prática, 2ª edição. Porto Alegre: Artmed, 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.