Página Principal > Colunistas > Dengue: Anvisa restringe Dengvaxia para pessoas que já tiveram a doença
dengue

Dengue: Anvisa restringe Dengvaxia para pessoas que já tiveram a doença

Tempo de leitura: 2 minutos.

A vacina Dengvaxia, única aprovada no Brasil e disponível no mundo, vai ganhar uma atualização em sua bula. Dados de cinco anos de monitoramento e avaliação criteriosos foram submetidos à ANVISA, e demonstraram que a vacina é comprovadamente eficaz na prevenção da reincidência da dengue para pessoas que já tiveram alguma forma da doença, causada por um dos quatro subtipos do vírus: DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4.

Leia mais: Vacina contra a dengue: o que você deve saber sobre as últimas evidências

Por outro lado, pessoas que nunca tiveram contato prévio com o vírus, e utilizam a vacina, podem apresentar aumento no risco de hospitalização, ou de doença clinicamente grave, caso adquiram a doença.

Com as novas informações, a Anvisa aprovou três alterações para o produto:

  1. Uso restrito a indivíduos soropositivos que moram em área endêmicas, e que tenham entre 9 e 45 anos.
  2. Inclusão no texto, da definição mais clara para área endêmica, que serão considerados locais onde haja 70% ou mais de soroprevalência.
  3. Inclusão da contraindicação de uso da vacina em indivíduos soronegativos.

E quem já recebeu a vacina ou alguma dose?

A Anvisa determinou que a fabricante do fármaco apresente um plano de acompanhamento dos indivíduos soronegativos que receberam as vacinas.

As pessoas já vacinadas com uma ou duas doses devem procurar um profissional de saúde para avaliar o benefício de completar ou não o esquema, considerando as características da doença na região onde o paciente vive, intensidade de transmissão e idade. Importante colocar que a vacina não causa doença, mesmo nesses indivíduos soronegativos.

No mais, cabem as medidas de prevenção, tais como: manter o domicílio sempre limpo, eliminando os possíveis criadouros do Aedes aegypti; vestir roupas que minimizem a exposição da pele, principalmente durante o dia; utilizar repelentes, seguindo as instruções do rótulo e fazer uso de mosquiteiros em locais com muitos desses insetos.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Renata Bernardo Soares

Residência em Infectologia pela Universidade Federal Fluminense  ⦁ Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Petrópolis ⦁ Infectologista do Centro Hospitalar São Lucas ⦁ Infectologista do Hospital Regional Darcy Vargas

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.