Página Principal > Cardiologia > Desfechos da ablação por cateter na taquicardia ventricular de etiologia cardíaca não-isquêmica
ecg e uma agulha

Desfechos da ablação por cateter na taquicardia ventricular de etiologia cardíaca não-isquêmica

Tempo de leitura: 2 minutos.

Vaseghi et al estudaram 2.705 pacientes referidos para ablação por cateter na taquicardia ventricular (TV) entre 2002 e 2014. Destes foram selecionados 780 com causas não-isquêmicas. As etiologias mais comuns foram a miocardiopatia dilatada idiopática (MCDI; 66%), displasia arritmogênica do ventrículo direito (VD; 13%), miocardiopatia valvar (6%), miocardite (6%), miocardiopatia hipertrófica (MCH; 4%) e sarcoidose (3%).

Os desfechos incluídos foram recorrência da TV e um desfecho composto por recorrência da TV, morte e transplante cardíaco. Um ano livre de TV foi registrado para 69% dos pacientes. Um ano livre do desfecho composto foi observado em 62% dos pacientes. Os melhores resultados foram obtidos nos pacientes com miocardite, displasia arritmogênica do VD e MCDI. E o maior risco de recorrência aconteceu na MCH, miocardiopatia valvar e sarcoidose.

LEIA MAIS: Arritmias Ventriculares – AHA/ACC publicam nova diretriz; veja os keypoints

O estudo foi realizado com a colaboração de múltiplos centros de pesquisa. E alguns foram limitados pelo pequeno número de pacientes. Foi estudado retrospectivamente um vasto registro internacional. Entretanto, os resultados obtidos têm um grande valor informativo para o prognóstico desse grupo de pacientes.

Os resultados da ablação por cateter na TV são melhores na doença cardíaca isquêmica. No estudo HELP-VT, foi demonstrada menor taxa de sobrevida em um ano para os pacientes com MCDI (40,5%) quando comparados aos isquêmicos (57%).

A ablação por cateter na TV é efetiva em pacientes não isquêmicos. A etiologia é um preditor de desfecho importante. A displasia arritmogênica do VD, miocardite e MCDI têm desfechos similares, entretanto, melhores do que na MCH, miocardiopatia valvar e sarcoidose após ajuste para potenciais covariáveis.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Alexandre Marins Rocha

Graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro ⦁ Pós-graduação em Cardiologia pela Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro ⦁ Mestre em Ciências Cardiovasculares pela Universidade Federal Fluminense ⦁ Ecocardiografista no Labs Amais Grupo Fleury

Referências:

  • Vaseghi M., Hu T., Tung R., Vergara P., Frenkel D., Di Biase L. et al. JACC. Outcomes fo catheter ablation of ventricular tachycardia based on etiology in nonischemic heart disease: an international ventricular tachycardia ablation center collaborative study. JACC: Clinical Electrophysiology. https://doi.org/10.1016/j.jacep.2018.05.007.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.