Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cardiologia / Devemos usar o ECG para estimar o risco cardiovascular? Nova diretriz responde
ecg e uma agulha

Devemos usar o ECG para estimar o risco cardiovascular? Nova diretriz responde

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: < 1 minutos.

A doença cardiovascular é uma das principais causas de mortalidade no mundo. Atualmente, dispomos de algumas formas de se estimar seu risco para os pacientes, de modo a definir a condução dos casos e que medidas tomar na prevenção primária. Para tal, existem vários escores utilizados (Framingham, Reynolds, escore de risco global, ASCVD). Em nenhum deles o eletrocardiograma (ECG) faz parte dos parâmetros avaliados. No entanto, tal exame, amplamente disponível e de caráter não-invasivo, é frequentemente realizado como screening de doença coronariana mesmo em pacientes jovens e assintomáticos.

A US Preventive Services Task Force publicou recentemente uma recomendação sobre o screening com ECG. Após revisão de dados na literatura sobre a adição de ECG às formas convencionais de estimar o risco cardiovascular, a Força-Tarefa concluiu que não devemos solicitar ECG para pacientes de baixo risco cardiovascular. Eles baseiam tal recomendação também no fato de que muitos pacientes assintomáticos chegam a ser submetidos à angiotomografia de artérias coronarianas ou cateterismo de forma desnecessária após achados no ECG de repouso.

Para os pacientes de médio a alto risco cardiovascular, a Força-Tarefa concluiu que não há evidência suficiente para recomendar contra ou a favor de se acrescentar o ECG no screening e se isso se traduziria em melhor prevenção.

OUÇA NOSSO PODCAST: Como fazer uma avaliação do risco cardiovascular?

Autor:

Referências:

2 comentários

  1. Avatar

    Como cardiologista , é que diante de um paciente na emergência, com sinais e sintomas pertinentes ao precórdio ou na avaliação cardiovascular, na beira do leito ou a nível ambulatorial, sempre solicitamos um eletrocardiograma, por ser uma ferramenta não invasiva e de baixo custo. Pode nos fornecer dados relevantes como um instrumento na propedêutica, como no aspecto da judicialização da medicina atual.

  2. Avatar
    moises afiune

    com o ecg , rx de torax e exame clinico afasto mais de 90% das cardiopatias avaliando o risco cardiaco , principalmente onde não se dispoen de outros exames

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.