Página Principal > Clínica Médica > Diabetes: insulina inalatória é aprovada no Brasil
diabetes

Diabetes: insulina inalatória é aprovada no Brasil

Tempo de leitura: 1 minuto.

Uma das grandes queixas dos pacientes diabéticos que necessitam de insulinização é o fato de ter que furar o dedo várias vezes ao dia. Esta semana, uma novidade pode revolucionar o tratamento da diabetes: a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso de Insulina inalável no Brasil.

Afrezza é a primeira insulina inalatória de ação rápida a ser registrada no Brasil e teve seu registro concedido em dezembro de 2010. A nova insulina é comercializada em pó, em cartuchos com dispositivo que lembra os utilizados para o tratamento de asma. O paciente encaixa o cartucho no inalador e aspira a substância.

Leia maisInovações tecnológicas que prometem salvar vidas: insulina em cápsula

Além de ter a vantagem clara de evitar o uso de agulhas, o medicamento também contribui com a mobilidade do paciente, pois não necessita de refrigeração. Porém há limitações, como o fato de não ser autorizado para menores de 18 anos, ter pouca variedade de dosagens (4, 8 e 12 unidades) e ser contraindicado para pacientes com patologias pulmonares. Outro ponto importante é que infelizmente algumas picadas ainda serão necessárias, pois a formulação inalatória contempla apenas as insulinas de ação rápida e ultrarrápidas, sendo necessária a associação com uma insulina basal subcutânea.

A Afrezza ainda deve demorar alguns meses para estar disponível no mercado. O preço no Brasil também não foi revelado. Nos Estados Unidos, a menor dose (com 4 unidades) custa U$ 3,80, o equivalente a R$ 14,80. Considerando um esquema com 3 doses por dia, o tratamento mensal seria em torno de 1. 330 reais.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.