Covid-19

Diagnóstico e tratamento da aspergilose pulmonar invasiva associada à Covid-19

Tempo de leitura: 5 min.

Com o avanço da pandemia de Covid-19 e aumento dos números de casos graves, um antiga conhecida dos intensivistas passou a aparecer de forma mais proeminente. Sim, estamos falando da aspergilose pulmonar invasiva. A associação foi tamanha que ganhou nome, CAPA (Coronavirus disease 2019 (Covid-19)-associated pulmonary aspergillosis) e tem complicado casos de pacientes com formas graves de Covid-19.

O manejo da CAPA depende essencialmente de um diagnóstico presumível com alta suspeição e sobretudo, de parâmetros microbiológicos como as culturas de secreção traqueal, o lavado broncoalveolar e a pesquisa de galactomannan de preferência no próprio material do lavado. O cenário é preocupante, pois há sabidamente um impacto na mortalidade dos pacientes acometidos por Covid-19 grave (52% nos pacientes com CAPA versus 39% em não CAPA; p = 0,027). O tratamento de escolha é feito com o voriconazol ou isavuconazol e as recomendações são que em casos de forte suspeição, o tratamento deve ser iniciado empiricamente até que haja confirmação ou não do caso.

Leia também: Influenza aumenta em 5 vezes o risco de aspergilose invasiva na UTI

Pensando nesse cenário, a Confederação Europeia de Micologia Médica realizou um estudo de prevalência envolvendo 20 centros de terapia intensiva em 9 países da Europa, com o total de 592 pacientes arrolados. Durante março de 2020 e maio de 2021 os pacientes desses centros escolhidos, com pacientes portadores de Covid-19 confirmada por RT-PCR e formas graves de acometimento respiratório, tinham a pesquisa de CAPA realizada pelos principais métodos validados.

Metodologia

Pensando nesse cenário, a Confederação Europeia de Micologia Médica realizou um estudo de prevalência envolvendo 20 centros de terapia intensiva em 9 países da Europa, com o total de 592 pacientes arrolados. Durante março de 2020 e maio de 2021 os pacientes desses centros escolhidos, com pacientes portadores de Covid-19 confirmada por RT-PCR e formas graves de acometimento respiratório, tinham a pesquisa de CAPA realizada pelos principais métodos validados.

Os casos foram classificados de acordo com o Consenso para Definição de Diagnóstico de Aspergilose Pulmonar Invasiva de 2020 5.

Resultados

Dos 592 casos analisados, os resultados permitiram a seguinte classificação:

  • 1,9 % (11) = CAPA Comprovada
  • 13,5 % (82) = Provável CAPA
  • 3 % (18) = Possível CAPA 

Em relação aos resultados dos métodos aplicados para detecção, seguiram os seguintes resultados nos pacientes com CAPA possível, provável ou confirmada (109 casos):

  • Galactomannan de lavado 77%
  • Galactomannan sérica 19%
  • Galactomannan de aspirado traqueal 76%
  • Cultura positiva de lavado 53%
  • Cultura positiva de aspirado traqueal 62%

Conclusão

O estudo mostra uma prevalência considerável de CAPA em pacientes críticos com Covid-19 (15%), onde o método de escolha para o diagnóstico parece ter impacto significativo no sucesso do diagnóstico. Dada a gravidade do quadro infeccioso e do impacto na mortalidade, direcionar o melhor método diagnóstico (amostra de via aérea inferior) e iniciar o tratamento adequado empiricamente pode ajudar a modificar o desfecho de maior risco de óbito nessa população. 

Saiba mais: Aspergilose pulmonar associada à Covid-19

Impressão pessoal

O paciente com forma grave de Covid-19 tem risco elevado para complicações infecciosas, onde as infecções fúngicas, em especial a Aspergilose, parece ter alta prevalência e alto impacto negativo em mortalidade. Devemos sempre ter alto grau de suspeição, sobretudo naquele paciente com piora hipoxêmica e de imagem, sem que consigamos justificar pela fase de agressão do vírus ou com isolamento de bactérias causadores de infecção nosocomial. Nesses casos, o racional deve ser de coletar uma amostra para cultura e pesquisa de galactomannan de aspirado traqueal ou de lavado broncoalveolar, com início empírico do Voriconazol venoso até que prove-se o contrário. Essa janela de tempo pode ser decisiva entre o desfecho de óbito ou não do paciente.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Verweij PE, Rijnders BJA, Brüggemann RJM, Azoulay E, Bassetti M, Blot S, Calandra T, Clancy CJ, Cornely OA, Chiller T, Depuydt P, Giacobbe DR, Janssen NAF, Kullberg B-J, Lagrou K, Lass-Flörl C, Lewis RE, Liu PW-L, Lortholary O, Maertens J, Martin-Loeches I, Nguyen MH, Patterson TF, Rogers TR, Schouten JA, Spriet I, Vanderbeke L, Wauters J, van de Veerdonk FL. Review of influenza-associated pulmonary aspergillosis in ICU patients and proposal for a case definition: an expert opinion. Intensive Care Med. 2020;46:1524–1535. doi10.1007/s00134-020-06091-6
  • Arastehfar A, Carvalho A, van de Veerdonk FL, Jenks JD, Koehler P, Krause R, Cornely OA, Perlin SD, Lass-Flörl C, Hoenigl M. COVID-19 associated pulmonary aspergillosis (CAPA)—from immunology to treatment. J Fungi. 2020;6(2):91. doi: 10.3390/jof6020091
  • Salmanton-García J, Sprute R, Stemler J, Bartoletti M, Dupont D, Valerio M, Garcia-Vidal C, Falces-Romero I, Machado M, de la Villa S, Schroeder M, Hoyo I, Hanses F, Ferreira-Paim K, Giacobbe DR, Meis JF, Gangneux JP, Rodríguez-Guardado A, Antinori S, Sal E, Malaj X, Seidel D, Cornely OA, Koehler P. COVID-19-associated pulmonary aspergillosis, March-August 2020. Emerg Infect Dis. 2021;27:1077–1086. doi10.3201/eid2704.204895
  • Prattes J, Wauters J, Giacobbe DR, Lagrou K, Hoenigl M; ECMM-CAPA Study Group. Diagnosis and treatment of COVID-19 associated pulmonary apergillosis in critically ill patients: results from a European confederation of medical mycology registry. Intensive Care Med. 2021 Jul 16:1–3. doi: 10.1007/s00134-021-06471-6. Epub ahead of print. PMID: 34269853; PMCID: PMC8284037. doi10.1007/s00134-021-06471-6
  • Koehler P, Bassetti M, Chakrabarti A, Chen SCA, Colombo AL, Hoenigl M, Klimko N, Lass-Flörl C, Oladele RO, Vinh DC, Zhu LP, Böll B, Brüggemann R, Gangneux JP, Perfect JR, Patterson TF, Persigehl T, Meis JF, Ostrosky-Zeichner L, White PL, Verweij PE, Cornely OA; European Confederation of Medical Mycology; International Society for Human Animal Mycology; Asia Fungal Working Group; INFOCUS LATAM/ISHAM Working Group; ISHAM Pan Africa Mycology Working Group; European Society for Clinical Microbiology; Infectious Diseases Fungal Infection Study Group; ESCMID Study Group for Infections in Critically Ill Patients; Interregional Association of Clinical Microbiology and Antimicrobial Chemotherapy; Medical Mycology Society of Nigeria; Medical Mycology Society of China Medicine Education Association; Infectious Diseases Working Party of the German Society for Haematology and Medical Oncology; Association of Medical Microbiology; Infectious Disease Canada. Defining and managing COVID-19-associated pulmonary aspergillosis: the 2020 ECMM/ISHAM consensus criteria for research and clinical guidance. Lancet Infect Dis. 2021 Jun;21(6):e149-e162. doi: 10.1016/S1473-3099(20)30847-1
Compartilhar
Publicado por
Hiago Bastos

Posts recentes

Mais de 20 conteúdos novos no Whitebook

Acesse o blog e confira quais são os mais de 20 conteúdos novos do Whtebook,…

3 horas atrás

Anemia megaloblástica na gestação – Parte 1

A anemia por deficiência de ácido fólico é um tipo de anemia megaloblástica e a…

4 horas atrás

Síndrome de abstinência neonatal e iatrogênica em neonatologia – diferenças e semelhanças

Revisão detalhada e original sobre a síndrome de abstinência neonatal a opioides causada pela exposição…

5 horas atrás

Quando a apneia do sono não precisa ser tratada

Na medicina moderna o sobre diagnóstico é uma situação muito comum. Ele pode ser definido…

5 horas atrás

Por que o LGG na diarreia aguda? [Vídeo]

A diarreia aguda tem uma duração inferior a duas semanas e que em uma maioria…

6 horas atrás

Infecções periprotéticas: diferenças entre as culturas do líquido articular e as intraoperatórias

Um estudo teve como objetivo avaliar o desempenho diagnóstico da cultura do líquido sinovial para…

7 horas atrás