Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Enfermagem / Doenças pediátricas do verão: cuidados de enfermagem à criança com diarreia
médica auscultando paciente pediátrico com diarreia

Doenças pediátricas do verão: cuidados de enfermagem à criança com diarreia

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Os episódios de diarreia tendem a aumentar no verão, uma vez que o calor aumenta o risco de contaminação dos alimentos. Esse quadro consiste na eliminação de três ou mais episódios de fezes amolecidas ou líquidas em um período de 24 horas.

Após ingerir alimentos contaminados, o microrganismo patógeno se aloja nas células da mucosa intestinal e forma um pedestal em forma de taça. Uma vez alojado, o patógeno libera enterotoxinas que aumentam a secreção intestinal, provocando um processo inflamatório, podendo levar a lesões intestinais.

Veja também: Água alterada no Rio de Janeiro: enfermagem no cuidado à saúde

Diarreia

Os sinais e sintomas da diarreia são o aumento na frequência das eliminações intestinais e diminuição da consistência das fezes, que pode levar a quadros de desidratação importante.

Ao atender uma criança com quadro de diarreia, o enfermeiro deve investigar as características do episódio diarreico (início, duração, quantidades de evacuações por dia, presença de sangue nas fezes, outros familiares com quadros diarreicos ou casos na escola/ creche); hábitos alimentares e alimentos ingeridos recentemente; o consumo de água; viagens recentes; uso de medicamentos; infecções anteriores; manifestações de outros sintomas, como febre e vômitos; histórico de imunizações; peso anterior; e diurese.

O exame físico da criança deve ser completo atentando (principalmente) para: o estado de hidratação e de nutrição da criança, peso, nível de consciência e nível de alerta, sinais vitais e pulso, palpação das fontanelas, perfusão capilar periférica e diurese.

A conduta terapêutica da criança com diarreia se baseia nas condições clínicas e na classificação da gravidade da desidratação:

  • Criança acordada, alerta e sem sinais de desidratação grave: administração de líquidos via oral, em domicílio. Repor perda hídrica em quatro a seis horas (50 mL/kg em desidratação leve e 100 mL/kg em desidratação moderada). Em casos de diarreia, 10 mL/kg para cada evacuação. Caso a criança não aceite, ofertar de 2 a 3 mL, por uma seringa, com intervalos de minutos, até que aceite quantidades maiores. Reforçar manutenção da alimentação e aleitamento materno;
  • Crianças com desidratação moderada a grave: é recomendada a reidratação venosa: 20 mL/kg em 20 minutos, podendo repetir por duas vezes até que apresente diurese, aumento da pressão arterial e diminuição da frequência cardíaca. Após a infusão de 60 mL/kg sem melhora do quadro, tratar como choque hipovolêmico (refratário à reposição volumétrica). Isso se aplica a:
  • Crianças de todas as idades com sinais de agravo (alteração de nível de consciência, alterações abdominais etc);
  • Criança com vômitos incessantes;
  • Em casos de desidratação grave;
  • Casos de desidratação moderada em crianças menores de três meses.

Leia mais: Doenças pediátricas do verão: ação do enfermeiro na insolação

Em caso de desidratação de causa de difícil manejo (com alteração de nível de consciência, sem resposta ao tratamento inicial, desnutrição, com cardiopatias ou nefropatias), a criança deve ser acompanhada em unidade de terapia intensiva (UTI).

Dessa forma, as intervenções de enfermagem se baseiam na:

  1. Hidratação oral/venosa de acordo com quadro clínico.
  2. Promoção do aleitamento materno.
  3. Identificação e manejo da desidratação.
  4. Avaliação e cuidados com a pele da região perianal.
  5. Orientações sobre higiene e preparo dos alimentos.
  6. Orientações sobre consumo de água.
  7. Orientar medidas dietéticas, como a exclusão de alimentos que intensifiquem a diarreia.
  8. Orientar administração de líquidos via oral, no domicílio, com base no cálculo mL/kg. Se a criança não aceitar, ofertar de 2 a 3 mL, por uma seringa, com intervalos de minutos, até que aceite quantidades maiores.
  9. Reforçar manutenção da alimentação e aleitamento materno.
  10. Orientar cuidados com a pele perianal.
  11. Orientar retorno à unidade de saúde, se houver piora do quadro.

Mas se você deseja saber mais sobre diarreia, desidratação e outras doenças pediátricas, baixe o aplicativo Nursebook.

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Costa ADPV, Silva GAP. Terapia de reidratação oral no setor de emergência. J Pediatr 2011;87(2):175-179.
    Fernandes EG, Leshem E, Patel M et al. Hospital-based surveillance of intussusception among infants. J Pediatr 2016; 92(2):181–7.
  • Ministério da Saúde (BR). Portal da Saúde [homepage na internet] Manejo do paciente com diarreia [cartaz]; 2014 [Acesso em Set 19].
  • Piva JP. Medicina intensiva pediátrica. 2. ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2015.
  • Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Gastroenterologia. Diarreia aguda: diagnóstico e tratamento [internet]; Março de 2017.
  • Hockenberry MJ, Wilson DW. Fundamentos de Enfermagem Pediátrica. 9. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.