Página Principal > Infectologia > Doxiciclina na profilaxia de DST após sexo sem preservativo entre homens é eficaz?
preservativo aberto em cima da mesa

Doxiciclina na profilaxia de DST após sexo sem preservativo entre homens é eficaz?

Tempo de leitura: 2 minutos.

O número de doenças sexualmente transmissíveis (DST) tem aumentado nos últimos anos entre homens que fazem sexo com homens. Pensando nisso, pesquisadores investigaram se uma profilaxia pós-exposição com doxiciclina pode reduzir a incidência de DST nessa população. Os resultados foram publicados no início de dezembro no Lancet Infectious Diseases.

Para esse estudo randomizado, 232 homens do ensaio open-label francês ANRS IPERGAY foram incluídos. Todos tinham 18 anos ou mais, tiveram relação sexual com outros homens sem camisinha e receberam profilaxia pré-exposição ao HIV com fumarato de tenofovir desoproxila mais emtricitabina.

Os participantes foram randomizados para tomar uma dose oral única de 200 mg de doxiciclina dentro de 24 h após a relação sexual ou nenhuma intervenção. O desfecho primário foi a ocorrência de uma primeira DST (gonorreia, clamídia ou sífilis) durante o follow-up de 10 meses.

Resultados

Setenta e três participantes apresentaram uma nova DST. A incidência foi menor em pacientes que tomaram doxiciclina do que naqueles que não receberam intervenção (28 casos vs. 45 casos; hazard ratio [HR] = 0,53; IC de 95%: 0,33 a 0,85; p = 0,008).

Resultados semelhantes foram observados para a ocorrência de um primeiro episódio de clamídia (HR = 0,30; IC de 95%: 0,13 a 0,70; p = 0,006) e sífilis (HR = 0,27; IC de 95%: 0,07 a 0,98; p = 0,047). Para gonorreia, os resultados não diferiram significativamente. As taxas de eventos adversos graves foram semelhantes nos dois grupos de estudo.

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que a profilaxia pós-exposição com doxiciclina pode reduzir incidência de DST entre homens que têm relação sexual com outros homens sem preservativo.

Você sabia? ‘Vacina meningocócica pode proteger contra a gonorreia’

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.