Página Principal > Gastroenterologia > É possível melhorar os sintomas do refluxo gastroesofágico sem o uso de medicação?

É possível melhorar os sintomas do refluxo gastroesofágico sem o uso de medicação?

Tempo de leitura: 2 minuto.

É possível melhorar os sintomas da doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) sem o uso de medicação? Foi o que respondeu um artigo publicado no JAMA Otolaryngology – Head & Neck Surgery.

Para essa revisão retrospectiva foram utilizadas duas coortes de tratamento:

1) 85 pacientes com DRGE tratados com inibidores da bomba de prótons (IBP) e precauções padrão de refluxo, entre 2010 a 2012 – idade média de 60 anos; 56,3% mulheres
2) 99 pacientes com DRGE tratados com água alcalina (pH > 8), dieta do mediterrâneo e precauções padrão de refluxo, entre 2013 e 2015 – idade média de 57 anos; 61,7% mulheres.

O desfecho analisado foi baseado na alteração no índice de sintomas de refluxo.

A porcentagem de pacientes que alcançaram uma redução clinicamente significativa (≥6 pontos) nos sintomas de refluxo foi de 54,1% em pacientes do grupo 1 e 62,6% em pacientes do grupo 2 (diferença = 8,05; IC de 95%: -5,74 a 22,76). A redução média nos sintomas foi de 27,2% para o grupo 1 e 39,8% no grupo 2 (diferença = 12,10; IC de 95%: 1,53 a 22,68).

Esses achados sugerem que a intervenção composta de água alcalina, dieta mediterrânea e precauções padrão de refluxo é tão eficaz ou até melhor que o uso de IBP. Para os autores, esse resultado sugere que uma dieta à base de plantas e água alcalina deve ser considerada no tratamento da DRGE. Esta abordagem pode melhorar os sintomas e evitar os custos e os efeitos adversos da intervenção farmacológica, além de proporcionar benefícios adicionais para a saúde associados a uma dieta saudável.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

  • Craig H. Zalvan, Shirley Hu, Barbara Greenberg, Jan Geliebter. A Comparison of Alkaline Water and Mediterranean Diet vs Proton Pump Inhibition for Treatment of Laryngopharyngeal Reflux. JAMA Otolaryngol Head Neck Surg. 2017;143(10):1023–1029. doi:10.1001/jamaoto.2017.1454

Um comentário

  1. Muito bom.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.