Leia mais:
Leia mais:
AAP 2021: estudo piloto avalia estratégia de sedação baseada em analgesia com hidromorfona
Quais são os fatores de risco para hemorragia digestiva (HD) em pacientes críticos? 
Sedação na escassez de medicamentos: como lidar? [podcast]
Conteúdos novos em Covid-19: Intubação na Escassez de Sedativo e Sedação na Escassez de Medicamentos
Etomidato: É seguro fazer para sedação em pediatria?

eCASH: Atualização em Analgesia e Sedação (Conduta Médica em Terapia Intensiva) – Parte 2

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

bContinuando nossa análise do eCASH (diretriz de analgesia e sedação centrada no paciente), hoje apresentamos os conceitos mais atuais de manejo da sedação em terapia intensiva.

Leia também: eCASH: Atualização em Analgesia e Sedação (Parte 1)

As melhores condutas em terapia intensiva você encontra no:  Whitebook Clinical Decision!
Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.
  • Manejo da Sedação:

No eCASH, sedação leve objetiva que o paciente atinja a regra dos 3C: Calmo, Confortável e Cooperativo. Idealmente, o paciente pode acordar, manter contato ocular e interagir com a equipe médica e familiares, e dormir quanto desejar; correspondendo este estado a escala de RASS -1/0. Este estado de sedação leve ou sem sedação é o que está mais associado a desfechos favoráveis.

O eCASH também inclui cuidados preventivos de agitação e delirium, que devem ser continuamente reavaliados no paciente e condições contribuintes devem ser adequadamente tratadas, como: perfusão cerebral comprometida; sepse; hipertermia; distúrbios hidroeletrolítico, distúrbios do sono; além de suspender o uso de medicamentos causadores de delirium. A avaliação do delirium pode ser feita através do CAM-ICU.

Uma sedação leve e superficial passa pela escolha do sedativo. Cada vez mais os benzodiazepínicos estão sendo desencorajados como primeira linha de tratamento, devido ao seu efeito prolongado e capacidade de impregnação, sendo preferíveis sedativos de curta ação e de fácil titulação, como o propofol e a dexmedetomidina. A sedação utilizando a dexmedetomidina como primeira escolha, por exemplo, quando compara ao midazolam, revelou menor risco de delirium, menor tempo de ventilação mecânica e menor tempo de internação. Benzodiazepínicos podem ser reservados para indicações restritas, como: amnesia durante procedimentos; convulsões; agitação intratável; abstinência alcoólica; tratamento paliativo; e patologias graves do sistema nervoso central. Quanto utilizados, deve-se preferir seu uso intermitente do que por infusão contínua, o que parece estar associado a menor incidência de delirium.

Sedação profunda a moderada, no entanto, continua sendo recomendada em algumas situações:

  • Pacientes com insuficiência respiratória e dissincronia paciente-ventilador;
  • Pacientes em uso de bloqueadores neuromusculares;
  • “Status epilepticus”;
  • Condições cirúrgicas que necessitem imobilização rigorosa;
  • Algumas lesões intracranianas acompanhadas de hipertensão intracraniana.

No contexto da dissincronia paciente-ventilador, vale destacar que a primeira medida deve ser encontrar um modo ventilatório e parâmetros que permitam uma melhor sincronia, antes de aumentar a sedação, seguindo a máxima: “O ventilador sempre deve ser adaptado ao paciente, e não o paciente ao ventilador.”

Fiquem de olho em nossa próxima postagem, detalhando os princípios do cuidado centrado no paciente e o manejo do sono.

Leia também: eCASH: Atualização em Analgesia e Sedação (Parte 1)

ban

Referências Bibliográficas:

  • Jean-Louis Vincent et al. Comfort and patient-centred care
without excessive sedation: the eCASH concept. Intensive Care Med (2016) 42:962–971. DOI: 10.1007/s00134-016-4297-4.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Entrar | Cadastrar