Página Principal > Endocrinologia > Epidemia de obesidade atinge populações da América Latina e do Caribe

Epidemia de obesidade atinge populações da América Latina e do Caribe

Tempo de leitura: 3 minutos.

As populações da América Latina e do Caribe estão sendo vítimas de uma epidemia de obesidade. Os dados são da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) e da agência da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). Ao mesmo tempo, aumenta também o número de pessoas que apresenta casos de má nutrição alimentar na região.  

“A obesidade afeta quase 25% da população e 60% dos habitantes têm sobrepeso na América Latina e no Caribe”, destaca o relatório “Perspectivas agrícolas 2019-2028”, redigido pelas duas instituições.

O documento aponta que o “triplo ônus da má nutrição, uma mescla de subalimentação, obesidade e falta de micronutrientes, cria um problema de saúde pública cada vez mais grave. E o fenômeno parece seguir avançando, especialmente para os setores mais pobres da população, as mulheres, as populações autóctones, as pessoas de ascendência africana e as crianças”.

Taxas comparáveis a países ricos

As taxas de sobrepeso e de obesidade na América Latina e no Caribe, claramente superiores ao nível médio mundial há mais de 40 anos, são comparáveis à dos países de alta renda.

Atualmente, a região fica na segunda posição na classificação mundial, atrás somente da América do Norte. Ao mesmo tempo, apesar do excedente na produção agrícola e alimentar na América Latina, a quantidade de pessoas em situação de insegurança alimentar aumentou pelo terceiro ano consecutivo.

No entanto, mais do que a disponibilidade dos alimentos, o custo para os consumidores pobres é o que explica a agravamento da situação, de acordo com os analistas.

“A América Latina e o Caribe vivem uma verdadeira epidemia de sobrepeso e obesidade. Contudo, diferentemente dos países desenvolvidos, é improvável que esses países tenham condições econômicas de lidar com as epidemias de doenças causadas pela obesidade, que provavelmente ocorrerão caso a enfermidade não seja fortemente e prontamente combatida”, destaca Flávio Cadegiani, mestre e doutor em Endocrinologia Clínica pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp/EPM).  

Ainda segundo o especialista, a América Latina passou a apresentar uma epidemia de obesidade quando deixou de priorizar a alimentação local e se rendeu às grandes redes de fast-food e de alimentos ultraprocessados. 

“Ao contrário do que inicialmente se imaginaria, a coexistência entre insegurança alimentar e obesidade não é necessariamente um paradoxo. Na verdade, é uma sequência natural do desenvolvimento humano. Na maior parte das populações, a alimentação farta e descontrolada é um ode ao acúmulo para pessoas que já viveram períodos de insegurança alimentar. Somente com a estabilização do provimento de comida por, ao menos, uma a duas gerações que a abundância e o entendimento cultural do pensamento de “quanto mais se comer melhor” passará a perder força. Aconteceu assim com os imigrantes europeus pós-guerra, que imigraram para a América (inclusive no Brasil). A cultura da obesidade como a beleza a ser atingida é um fator de atração que ainda tem força em determinadas populações da África, por exemplo”, analisa Cadegiani.

Recomendações

O documento aponta algumas iniciativas de políticas públicas como a limitação da publicidade de alimentos e bebidas processados, assim como rótulos nutricionais detalhados nas embalagens, medida implementada pelo Chile, o imposto sobre os alimentos vinculado à saúde no México e a lei sobre alimentação nas escolas no Brasil.

Na opinião de Cadegiani, primeiramente os médicos precisam entender que a obesidade trata-se de uma doença real, grave, de grande componente genético, metabólico. E que seus portadores não são pessoas mais fracas, pois a atração por alimentos mais calóricos é mais intensa e a facilidade de armazenamento é maior. Ou seja, não se trata de uma doença em que se falar para o paciente “fechar a boca” vai trazer qualquer efeito positivo.

“Devido à grande epidemia e à altíssima prevalência, não somente os médicos especialistas, mas todos os médicos, incluindo médicos de família, têm que saber lidar e tratar (inclusive do ponto de vista medicamentoso), e saber encaminhar, somente quando necessário, para cirurgia bariátrica. É necessário um treinamento médico maciço no Brasil e uma cobrança maior com uma abordagem mais proativa dos médicos para prevenir o aparecimento de mais de 200 doenças decorrentes da obesidade em milhões de pessoas”, enfatiza o especialista em Endocrinologia.

Uma abordagem mais consciente pode ajudar nesta difícil missão, principalmente, em relação aos pacientes. As informações sobre alimentação e estilo de vida saudável devem vir após a ampla conscientização do que é obesidade e do que ela pode causar, uma vez que os indivíduos precisam entender as razões de comer menos alimentos muito calóricos, ultraprocessados, e com grande teor de carboidratos refinados e de gorduras más.

“A mensagem de que ‘sim, nós entendemos o quanto é difícil comer saudável em face da ampla oferta de alimentos que trazem prazer instantâneo e aliviam sentimentos, mas estamos aqui para ajudar efetivamente’ precisa sempre estar junto às campanhas de conscientização sobre a obesidade. E, claro, oferecer caminhos efetivos e verdadeiramente acessíveis àqueles que necessitam de ajuda”, defende Cadegiani.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora: 

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.