Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Esportes e saúde mental em indivíduos expostos a experiências adversas na infância
morte súbita

Esportes e saúde mental em indivíduos expostos a experiências adversas na infância

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 3 minutos.

Experiências adversas na infância (EAI) é uma expressão usada para descrever todos os tipos de abuso, negligência e outras experiências potencialmente traumáticas que ocorrem com indivíduos com menos de 18 anos de idade. As EAI’s incluem negligência, abuso físico ou emocional, abuso doméstico, exposição a uso indevido de substâncias ou a doença mental, separação parental ou divórcio e prisão dos pais.  

Entretanto, pouco se sabe sobre quais fatores melhoram os resultados em longo prazo para aqueles expostos a EAI. A prática de atividade física na infância e na adolescência tem mostrado benefícios para a saúde mental, incluindo melhora de sintomas depressivos, do estresse e da autoestima. Acredita-se que os esportes em equipe melhorem a saúde mental devido à sua natureza social e ao apoio social resultante. No entanto, não se sabe se a participação em equipes esportivas no subgrupo de jovens expostos a EAI está associada a melhores resultados em longo prazo na saúde mental.

Saúde Mental e Esporte

Easterlin et al.  queriam avaliar, entre adolescentes expostos a EAI, se a participação em equipes esportivas durante a adolescência está associada a melhor saúde mental na vida adulta. Além disso, buscavam saber se a associação entre a participação em esportes coletivos e a saúde mental varia de acordo com o sexo. Por isso, desenvolveram o estudo Association of Team Sports Participation With Long-term Mental Health Outcomes Among Individuals Exposed to Adverse Childhood Experiences, publicado em maio na revista JAMA Pediatrics.

Este estudo utilizou dados do National Longitudinal Study of Adolescent to Adult Health (Add Health) para comparar o surgimento de três diferentes desfechos na saúde no adulto (diagnóstico de depressão, diagnóstico de ansiedade e sintomas depressivos) entre aqueles com EAI’s durante a infância que participaram e não participaram de esportes coletivos durante a adolescência.

Os autores utilizaram dados de pesquisa de segmento 1 (coletados durante o ano letivo de 1994-1995, quando os respondentes estavam entre a 7ª e a 12ª série) para detectar a participação em esportes coletivos durante a adolescência, e os dados do segmento 4 (coletados em 2008, quando os entrevistados tinham entre 24 e 32 anos de idade) para avaliar a saúde mental desses indivíduos já na fase adulta. As covariáveis ​​incluíam dados demográficos, educação dos pais, estrutura familiar, falta de seguro de saúde e características da escola.

Dos 9668 indivíduos incluídos no estudo [4470 homens (50,0%); média de idade, 15,2 (+/-1,75 anos)], 4888 (49,3%) relataram 1 ou mais EAI’s e 2084 (21,3%) relataram 2 ou mais EAI’s. Indivíduos com quaisquer EAI’s tiveram taxas significativamente maiores de problemas de saúde mental na fase adulta do que aqueles que não relataram nenhum EAI (depressão: 19% versus 13%; ansiedade: 14% versus 12%; sintomas depressivos: 24% versus 15%).

Em modelos ajustados, a participação esportiva durante a adolescência foi associada com menor chance de diagnóstico de depressão na fase adulta [odds ratio ajustada (aOR) 0,76 (IC95%, 0,59–0,97)] e ansiedade [aOR 0,70 (IC 95%, 0,56–0,89)] entre aqueles que relatam EAI’s. A análise estratificada por sexo mostrou que a participação em esportes conferiu chances significativamente mais baixas de todos os três desfechos de saúde mental na idade adulta para meninos, mas apenas um para meninas (ansiedade). Ligação escolar, autoestima e sentimento de ser socialmente aceito mediaram entre 16% e 35% da relação entre a participação esportiva e os resultados na saúde mental.

Conclusões do estudo

O estudo concluiu que a participação de adolescentes afetados por EAI’s em esportes coletivos foi associada a melhor saúde mental na fase adulta. A possibilidade de que a participação do adolescente em equipes esportivas possa atenuar parte do risco aumentado de problemas de saúde mental em adultos que sofreram EAI durante a adolescência fornece mais outro motivo para recomendar que crianças e adolescentes participem de esportes coletivos e outras atividades que possam aumentar os sentimentos de conectividade, autoestima e aceitação social.

A presença de EAI não significa que uma criança irá ter complicações. No entanto, experiências positivas podem impedir que as crianças vivenciem adversidades e podem proteger contra muitos dos resultados negativos na saúde física e mental, mesmo após a ocorrência da adversidade. 

Autora: 

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.