Pebmed

Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Estudo mostra melhora da função sexual após cirurgia bariátrica

Estudo mostra melhora da função sexual após cirurgia bariátrica

Tempo de leitura: 2 minutos.

A obesidade se tornou altamente prevalente em todo o mundo. Estima-se que aproximadamente 60% da população será obesa ou terá sobrepeso até 2030. A concomitância de outras doenças e os potenciais prejuízos à saúde física e psicológica relacionadas à obesidade podem contribuir para disfunção sexual em homens e mulheres.

Um estudo realizado por pesquisadores brasileiros da Bahia e Ceará analisou as mudanças no comportamento sexual de 62 mulheres heterossexuais, obesas, sexualmente ativas, que foram submetidas ao bypass gástrico em Y de Roux entre abril de 2015 e abril de 2016. A média de idade das participantes foi 36,8 +- 9,5 anos. Houve redução do IMC de 42+- 3,9 antes da cirurgia para 30,7 +- 5,4 após a cirurgia.

A avaliação da função sexual foi realizada por meio de questionário validado, antes e seis meses após a cirurgia. Foi utilizado também um instrumento não validado, originalmente usado para avaliação da função sexual após artroplastia de quadril, que consistia em um quadro com representações de posições sexuais, para avaliar a frequência das posições adotadas.

Leia mais: Cirurgia bariátrica diminui riscos de eventos cardiovasculares?

Antes da cirurgia, foi identificada disfunção sexual em 62% das pacientes. Após seis meses da cirurgia, esse número caiu para 19%. Foi reportado aumento significativo do desejo sexual (16,7%), do nível de excitação (25%), da lubrificação vaginal (17%), número de orgasmos (29,4%), satisfação sexual (33,3%) e melhora da dispareunia em 8,3% das mulheres. Também foi observada uma maior variedade nas posições sexuais após a cirurgia. Os aumentos mais substanciais foram observados em mulheres que apresentavam disfunção sexual prévia. Esses resultados são coerentes com outros estudos já realizados.

No entanto, o estudo aponta também suas limitações. As pacientes foram provenientes de um único centro, que incluía pacientes do cenário da saúde suplementar. Dessa forma, o perfil socioeconômico pode não ser uma amostra representativa das mulheres com obesidade grave no Brasil. Além disso, a avaliação da variedade das posições sexuais não foi feito por instrumento validado. O tempo de seguimento também foi limitado, visto que o período para estabilização do peso após cirurgia é de cerca de 2 anos. Por fim, foram incluídas apenas mulheres heterossexuais.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Oliveira, Claudia Fernandes de Almeida et al. Changes in Sexual Function and Positions in Women With Severe Obesity After Bariatric Surgery

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.