Home / Colunistas / Fatores sociodemográficos influenciam na incidência e na mortalidade por Covid-19?

Fatores sociodemográficos influenciam na incidência e na mortalidade por Covid-19?

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Para lidar melhor com a atual pandemia — e com as próximas —, em termos de medidas de saúde pública, é necessário identificar os fatores de risco relacionados a piores desfechos da doença. Assim, torna-se possível o direcionamento de esforços para prevenir e mitigar esses fatores, diminuindo o impacto epidêmico na população. Sabe-se que muitos desses fatores de risco são de ordem biológica e patológica, como comorbidades e doenças de base. Contudo, cada vez mais estudos apontam para a importância dos determinantes sociodemográficos na evolução da Covid-19 nas populações.

Leia também: Covid-19: vacinação em pacientes com insuficiência adrenal

Fatores sociodemográficos influenciam na incidência e na mortalidade por Covid-19?

Estudo recente

No intuito de contribuir com essa linha de investigação, pesquisadores do Departamento de Medicina Interna da Universidade de Michigan, nos EUA, desenvolveram um estudo sobre a associação entre fatores de risco sociodemográficos, a nível populacional local, e a incidência e mortalidade por Covid-19. O estudo transversal comparou esses dados sobre a doença coletados da base de dados da Johns Hopkins University Center for System Science and Engineering, no período de 25 de março a 29 de julho de 2020. com o Índice de Vulnerabilidade Social (SVI, Social Vulnerability Index) de condados dos 50 estados do país.

O SVI é um índice desenvolvido pela Centers for Disease Control (CDC), dos EUA, composto por um escore de 0 a 1, em que quanto mais perto o resultado for de 1, mais vulnerável é a população local. Esse índice leva em consideração, em seu cálculo, os seguintes fatores sociodemográficos: taxas de pobreza e desemprego, renda per capita, nível educacional, composição familiar (idosos, pais solteiros, jovens etc), presença de pessoas com deficiências, presença de minorias étnico-raciais e linguísticas, estruturas do domicílio e do transporte local.

Saiba mais: Transtornos mentais possuem relação com quadros mais graves de Covid-19?

No período estudado, houve um total de 4.289.283 casos de Covid-19 e 147.074 mortes, em um total de 3.137 condados. Percebeu-se uma significativa associação entre valores mais altos do SVI e o aumento de incidência e mortalidade por Covid-19. Um aumento de 0,1 no escore do SVI representou um aumento de 14,3% nas taxas de incidência e de 13,7% nas taxas de mortalidade. Condados com escore de 0,5 no SVI foram estimados como tendo 604 casos e 15 mortes por 100.000 habitantes, enquanto que aqueles com escore de 0,6 tiveram a estimativa de ter 691 casos e 18 mortes por 100.000 habitantes. Isso equivale a um excesso de 87 casos e 3 mortes a cada 100.000 habitantes devido a um aumento de 0,1 no escore do SVI. Além disso, analisando a evolução semanal dessas mesmas taxas, um escore do SVI maior em 0,1 representa um incremento de 0,9% e de 0,5% no aumento cumulativo das taxas de incidência e mortalidade, respectivamente, a cada semana. A associação foi especialmente mais significativa na análise dos componentes do SVI referentes a variáveis étnico-raciais e de não proficiência da língua inglesa.

Mensagem final

Os resultados do estudo trazem à tona discussões a respeito de equidade. Políticas de saúde devem ser direcionadas às pessoas com maior risco de adoecimento, levando-se em consideração aspectos sócio-econômico-demográficos. A abordagem dos problemas sociodemográficos pelas autoridades deve ser preventiva e constante, no sentido em que se apresentam como fatores de risco para diversos tipos de adoecimento, além da Covid-19. Políticas sociais devem ser entendidas como políticas de saúde — e vice-versa —, uma vez que ambos os aspectos estão intimamente relacionados. Entendendo saúde como um conceito ampliado, que envolve aspectos além dos biomédicos; e o acesso a serviços de saúde como um direito do cidadão e um dever do estado, deve-se buscar a integralidade através de ações preventivas, além das curativas, também nos aspectos sociais e nas condições de vida da população. O estudo fornece mais evidências de que, para atuar com qualidade em saúde é preciso combater iniquidades sociais.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Karmakar M, Lantz PM, Tipirneni R. Association of Social and Demographic Factors With Covid-19 Incidence and Death Rates in the US. JAMA Netw Open. 2021;4(1):e2036462. doi:1001/jamanetworkopen.2020.36462

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.