Fórum de Sepse 2022: infecções não complicadas – prós e contras de tempo ultracurto de antibioticoterapia

O uso de tempo ultracurto ainda é tema de debate. Uma sessão no Fórum Internacional de Sepse discutiu esse ponto na forma de prós e contras.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A exposição a antimicrobianos está relacionada a emergência de resistência em microrganismos, que é um grande desafio na prática clínica ao redor do mundo. Cada vez mais há tendência a usar menos tempo de antibióticos. Entretanto, o uso de tempos ultracurtos ainda é tema de debate.

Uma sessão no XVIII Fórum Internacional de Sepse discutiu esses pontos na forma de prós e contras.

Argumentos contra o uso de tempo de ultracurto

  • A duração do tratamento antimicrobiano deve levar em consideração alguns fatores: status imune do hospedeiro, patógeno envolvido, local de infecção, resposta clínica, se ainda há exposição ao fator de risco e se houve remoção do foco.
  • Diversas estratégias são utilizadas para determinar tempos mais curtos de tratamento: baseadas em descalonamento, baseadas em biomarcadores, baseadas em resposta clínica em associação com biomarcadores e complexidade e baseadas em tempos fixos de terapia, nos quais as terapias por tempo ultracurto se enquadram.
  • Entretanto, uma definição única para o que seria ultracurto pode ser difícil devido à heterogeneidade nos tipos de infecção. Da mesma forma, há dificuldade em se definir o que seriam infecções não complicadas no contexto de pacientes sépticos.
  • Para considerar tempos ultracurtos de tratamento, alguns requisitos são necessários: patógenos totalmente suscetíveis, ação bactericida com otimização de Pk/Pd, início rápido de ação do antibiótico, boa penetração no local de infecção, ação do antibiótico em bactérias que não estão em fase de divisão, ação antimicrobiana que não é afetada por condições causadas pela infecção, ausência de corpo estranho, ausência de abscessos e ausência de sinais de imunodeficiência.
  • Um ponto importante a ser considerado é até que ponto os resultados de estudos que mostram benefício (ou não-inferioridade) de tempos curtos de antibiótico podem ser extrapolados para outras populações. O palestrante cita dois artigos recentes, o CAP-IT publicado na JAMA (doi:10.1001/jama.2021.17843) que avaliou tratamento de pneumonia bacteriana em crianças, e o PTC publicado na The Lancet (doi.org/10.1016/S0140-6736(21)00313-5), que avaliou a descontinuação de beta-lactâmicos em pacientes com pneumonia comunitária após três dias. Em ambos, fatores como exclusão de pacientes graves, imunossuprimidos e com outros fatores de gravidades devem ser levados em conta no momento de interpretar os resultados.

Argumentos a favor

  • Tempos ultracurtos de antibioticoterapia não são aplicáveis a alguns tipos de infecções como endocardite, osteomielite, fibrose cística ou pneumonia por Legionella. Além disso, é necessário que haja correto controle de foco e ausência de imunossupressão.
  • Antimicrobianos são utilizados para tratar infecções e não sepse em si. Para adequado manejo de sepse, medidas de suporte são essenciais, não existindo ainda terapia específica.
  • Após exposição a antibiótico, a morte das bactérias ocorre em duas fases: uma rápida inicial (bactérias com fenótipo normal) e outra mais lenta (bactérias com fenótipo persistente), com resposta adequada ao tratamento quando há ação em ambas as fases.
  • Baseados nesse modelo de dinâmica da ação antimicrobiana dos medicamentos utilizados, para infecções invasivas por Escherichia coli e por Staphylococcus aureus, dois a quatro dias e quatro a nove dias de tratamento, respectivamente, seriam suficientes.
  • O risco de eventos adversos aumenta 4% e o de desenvolvimento de resistência antimicrobiana, 3% a cada dia de antibioticoterapia. Isso significa que um aumento na exposição a antibióticos de três para cinco dias representa um aumento de 9% na OR de ocorrência de eventos adversos. Quando se considera uma diferença de três para sete dias, isso representa um aumento de 19%.

Individualização

  • A duração do tempo de tratamento possui diversas variáveis: características do antimicrobiano, o tipo de microrganismo envolvido e variáveis do hospedeiro. A gravidade da infecção e o sítio de infecção também devem ser levados em consideração.
  • Marcadores de melhora são importantes e muito utilizados no momento de individualizar a terapia, especialmente em pacientes graves, mesmo sem muitas evidências científicas sobre seu uso. Entre esses, encontram-se melhora clínica, hemograma e procalcitonina.
  • Um estudo multicêntrico na Espanha acompanhou 312 pacientes com PNM comunitária randomizados para no mínimo cinco dias de tratamento ou interrupção de tratamento se mais de 48h sem febre e sem instabilidade clínica. Não houve diferença entre os grupos nas mortalidades com 10 e 30 dias, um ano e nem em novas admissões ou eventos cardiovasculares.
  • Revisão sistemática de estudos avaliando bacteremia por enterobactérias sem endocardite e com remoção de cateter não encontrou diferença na mortalidade em até 30 dias entre aqueles tratados por mais ou menos dez dias de tratamento.
  • Outro estudo também aponta não-inferioridade com tratamento por 7 vs. 14 dias para bacteremias não complicadas por organismos Gram-negativos. Destaca-se que a maioria das infecções apresentava foco urinário.

Estamos acompanhando o Fórum Internacional de Sepse. Fique ligado no Portal PEBMED!

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão
# Bielicki JA, Stöhr W, Barratt S, et al. Effect of Amoxicillin Dose and Treatment Duration on the Need for Antibiotic Re-treatment in Children With Community-Acquired Pneumonia: The CAP-IT Randomized Clinical Trial. JAMA. 2021;326(17):1713–1724. doi:10.1001/jama.2021.17843 # Jacques Ropers, et al. Discontinuing β-lactam treatment after 3 days for patients with community-acquired pneumonia in non-critical care wards (PTC): a double-blind, randomised, placebo-controlled, non-inferiority trial. Published:March 27, 2021. doi: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(21)00313-5