Leia mais:
Leia mais:
AAP 2021: intubações complicadas estão associadas à displasia broncopulmonar em recém-nascidos de muito baixo peso?
Como abordar a queda abrupta de saturação em paciente intubado? – Parte III
Como abordar a queda abrupta de saturação em paciente intubado? — Parte II
Como abordar a queda abrupta de saturação em paciente intubado?
Intubação em pacientes críticos: a importância do uso de guias para facilitar o processo

Intubação tradicional vs intubação por vídeo na terapia intensiva

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A intubação de pacientes na UTI carrega um risco de complicações potencialmente graves, incluindo parada cardíaca. Para minimizar os perigos desse procedimento, médicos devem optar pela intubação tradicional ou por vídeo? É o que responde um novo estudo do JAMA.

Nesse ensaio clínico, pesquisadores investigaram se a vídeo-laringoscopia aumenta a frequência de intubação orotraqueal bem sucedida, em comparação com a laringoscopia tradicional em pacientes na terapia intensiva.

Para isso, 371 adultos (idade média: 62,8 anos; 36,7% do sexo feminino) que necessitaram de intubação durante o tratamento em sete UTIs na França foram randomizados para intubação com vídeo-laringoscópio (n = 186) ou laringoscopia direta (n = 185); todos os pacientes receberam anestesia geral e foram acompanhados por 28 dias.

O desfecho primário analisado foi a proporção de pacientes com primeira intubação bem sucedida, e o secundário incluiu tempo para intubação e complicações leves a graves com risco de vida.

A proporção de pacientes com intubação bem sucedida não diferiu significativamente entre os dois grupos (67,7% por vídeo vs 70,3% tradicional; diferença absoluta: -2,5% [IC 95%, -11,9% a 6,9%]; p = .60). A proporção de intubações na primeira tentativa realizada por não-especialistas (principalmente residentes, n = 290) não diferiu entre os grupos (84,4% vídeo vs 83,2% tradicional; diferença absoluta: 1,2% [IC 95%, -6,3% a 8,6%]; p = 0,76).

As melhores condutas médica você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

A mediana do tempo de intubação com sucesso também não diferiu entre os grupos: 3 minutos (intervalo de 2 a 4 minutos) para intubação por vídeo e tradicional (diferença absoluta: 0 [IC 95%, 0 a 0]; p = 0,95). A vídeo-laringoscopia não foi associada a complicações com risco de vida (24/180 [13,3%] versus 17/179 [9,5%] para laringoscopia tradicional; diferença absoluta: 3,8% [IC 95%, -2,7% a 10,4%; p = .25).

Na análise pós-hoc, a vídeo-laringoscopia foi associada a complicações graves com risco de vida (17/179 [9,5%] vs 5/179 [2,8%] para laringoscopia tradicional; diferença absoluta: 6,7% [IC 95%, 1,8% a 11,6% (10/181 [5,4%] vs 14/181 [7,7%]; diferença absoluta: -2,3% [IC 95%, -7,4% a 2,8% %]; p = 0,37).

Veja também: ‘Sedação, um ponto-chave para a sequência rápida de intubação’

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que a vídeo-laringoscopia não melhorou as taxas de primeira intubação orotraqueal bem sucedida, em comparação com a laringoscopia tradicional, e também foi associada a maiores taxas de complicações graves com risco de vida. Agora, são necessários mais estudos para avaliar a eficácia comparativa destas duas estratégias em diferentes contextos clínicos.

Referências:

  • Lascarrou JB, Boisrame-Helms J, Bailly A, Le Thuaut A, Kamel T, Mercier E, Ricard J, Lemiale V, Colin G, Mira JP, Meziani F, Messika J, Dequin PF, Boulain T, Azoulay E, Champigneulle B, Reignier J, for the Clinical Research in Intensive Care and Sepsis (CRICS) Group. Video Laryngoscopy vs Direct Laryngoscopy on Successful First-Pass Orotracheal Intubation Among ICU PatientsA Randomized Clinical Trial. JAMA. 2017;317(5):483-493. doi:10.1001/jama.2016.20603
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar