Página Principal > Gastroenterologia > Lesão renal aguda na cirrose: creatinina sérica basal pode prever desfecho?
ilustração da parte interna de um rim

Lesão renal aguda na cirrose: creatinina sérica basal pode prever desfecho?

Queremos saber a sua opinião! Gostou de ouvir essa notícia em áudio? Clique aqui e responda nossa pesquisa.

Insuficiência renal aguda (IRA) é definida como perda significativa e abrupta da função renal em horas ou dias. Refere-se principalmente a diminuição do ritmo de filtração glomerular e/ou do volume urinário, porém, ocorrem também distúrbios no controle do equilíbrio hidroeletrolítico e acidobásico.

Para incentivar a uniformidade das definições, o International Ascites Club (IAC) definiu a lesão renal aguda de fase 1 (IRA) na cirrose como um aumento da creatinina sérica (SCr) ≥ 0,3 mg/dl (26,4 μmol/l) ou ≥50% em <48 h a partir de um valor estável dentro de 3 meses. A SCr no baseline pode influenciar o risco de IRA e os desfechos dos pacientes.

A presença de doença renal crônica foi reconhecida recentemente como um fator de risco para a IRA em outras populações de pacientes. O desenvolvimento de IRA sobreposta à doença renal crônica tem um impacto negativo adicional na sobrevida. Não sabe-se se o mesmo ocorre em pacientes com cirrose.

Veja também: ‘Consumo de café reduz risco de doença hepática?’

Neste contexto, um estudo publicado no The American Journal of Gastroenterology teve como objetivo determinar se a SCr no baseline tem algum efeito no curso da IRA hospitalar e na sobrevida do paciente com cirrose.

O estudo foi realizado com pacientes do North American Consortium for the Study of End-Stage Liver Disease. Pacientes que foram admitidos no hospital de forma não seletiva dos centros participantes foram abordados para inclusão. A cirrose foi diagnosticada por biópsia hepática ou por uma combinação de resultados bioquímicos, radiológicos e endoscópicos. Foram avaliados os pacientes com níveis de SCr basais diferentes (≤0,5, 0,51-1,0, 1,01-1,5, >1,5 mg/dl) para o desenvolvimento de IRA.

No total, foram incluídos 653 pacientes cirróticos hospitalizados, sendo 416 e 237 do sexo masculino e feminino, respectivamente. A média de idade foi de 56,7 ± 10 anos. Aproximadamente 40% dos pacientes tinham histórico de diabetes e 30% foram admitidos ou desenvolveram uma infecção no hospital.

Utilizando os critérios diagnósticos do IAC, o diagnóstico de estágio 1 (IRA) foi realizado em 47% dos pacientes e observado em todas as categorias de SCr basal. Os pacientes com SCr basal mais elevado apresentaram maior probabilidade de desenvolver IRA (p<0,001) quando comparados com os outros grupos, além de apresentar maior probabilidade de ter um curso progressivo de IRA (p<0,0001), associado a uma redução significativa da sobrevida em 30 dias (p<0,0001).

O estudo mostrou, portanto, que os pacientes cirróticos admitidos com SCr basal mais elevado estão em maior risco para desenvolvimento intra-hospitalar de IRA e mais propensos a ter progressão de IRA com sobrevida reduzida. Dessa forma, esses pacientes devem ser cuidadosamente monitorizados e tratados.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

Autora:

Referência:

  • Wong F, O’Leary JG, Reddy KR, Garcia-Tsao G, Fallon MB, Biggins SW, et al. Am J Gastroenterol. 2017 Apr 25. doi: 10.1038/ajg.2017.122. [Epub ahead of print]