Lombalgia devido a discopatia: quais são as evidências para terapia com células-tronco?

A dor lombar (lombalgia) é um distúrbio incapacitante que afeta grande parte da população adulta em todo o mundo. Uma das principais causas é a degeneração e lesão do disco intervertebral (discopatia).

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A dor lombar (lombalgia) é um distúrbio incapacitante que afeta grande parte da população adulta em todo o mundo. Uma das principais causas é a degeneração e lesão do disco intervertebral (discopatia), que é caracterizada pela diminuição progressiva do conteúdo de proteoglicanos no núcleo pulposo, levando à desidratação do disco e à perda de suas propriedades morfofuncionais e biomecânicas.

As lesões dos discos intervertebrais normalmente caminham dentro do seguinte processo: degeneração do disco (perda de água), posteriormente ocorre lesão parcial com fissura e abaulamento do ânulo fibroso do disco intervertebral (protusão discal) e finalmente a ruptura total do ânulo fibroso e extravasamento do núcleo pulposo para o canal medular ou forame intervertebral, provocando compressão da medula e/ou nervos do seguimento herniado.

O tratamento da discopatia se baseia em procedimentos conservadores com medicação/fisioterapia. Quando a funcionalidade do paciente está muito comprometida, opta-se pelo procedimento invasivo para remoção do fragmento herniado e descompressão das estruturas nervosas. Embora os tratamentos conservador e cirúrgico possam retardar o processo de degeneração discal e aliviar os sinais e sintomas dos pacientes, esses tratamentos não são capazes de restaurar/regenerar as alterações degenerativas e lesões do disco. Portanto, outras formas terapêuticas para tentar reparar/regenerar o disco intervertebral estão sendo testadas e estudadas, como é o caso da terapia celular com células-tronco.

O que temos de evidência até o momento para o uso de célula-tronco nas discopatia?

Existem basicamente três tipos de célula-tronco: as totipotentes ou embrionárias, encontradas no embrião recém-formado com até quatro ou cinco dias de gestação (blastocisto), que têm a capacidade de se transformar em todos os tipos de células, incluindo placenta e anexos; as célula-tronco pluripotentes, encontradas no embrião com cinco à seis semanas de gestação, que são capazes de se transformarem em mais de 250 tipos de tecidos e as célula-tronco adulta ou multipotente, que são células que têm a capacidade limitada para se diferenciar em alguns tipos de tecidos.

Dentre as células-tronco adultas, existe a célula-tronco mesenquimal (CTM) que pode ser isolada de vários tipos de tecidos. As CTM podem diferenciar-se em diferentes tipos de células, principalmente aquelas de origem mesenquimal, como osso, cartilagem, músculo, bem como neurônios e células da glia. Além disso, as CTM também podem contribuir para o processo de reparação pela liberação de fatores de crescimento e proteínas para o meio extracelular, além de promoverem interações célula-célula no local da lesão.

Na lombalgia por discopatia as CTM foram testadas em estudos in vitro, in vivo com animais e com seres humanos. Em recente estudo publicado (Fase I) foi observado que a aplicação de CTM derivadas do tecido adiposo promoveu a reidratação dos discos e melhorou a sintomatologia de dor em parte dos pacientes submetidos ao tratamento ao longo de 12 meses de follow up (Kumar et al., 2017).

Entretanto, outros estudos (Kim, 2016; Wu et al., 2018), incluindo uma revisão sistemática, apontam para efeitos muito modestos no processo de regeneração do disco intervertebral e colocam a necessidade de mais ensaios clínicos randomizados, cálculo amostral e metodologia mais adequada para confirmar a eficácia e segurança da aplicação de CTM nas discopatia. Os autores mencionam que pacientes que não responderam bem aos tratamentos tradicionais, potencialmente poderia ser indicado a terapia celular com CTM. Entretanto, o protocolo ideal permanece obscuro e a terapia celular ainda não é um tratamento padrão para nas lombalgias por discopatia.

Nos últimos anos, a terapia celular vem abrindo novas perspectivas para o tratamento de doenças crônico-degenerativas, como no caso da discopatia. Pesquisas têm sido realizadas acerca da terapia com célula-tronco, obtendo-se resultados animadores no que se refere ao tratamento dessas doenças. No Brasil, a utilização de células-tronco (uso autólogo) não manipuladas e/ou manipulação mínima foi regulamentada pela ANVISA (Resolução 214 de 2018). No entanto, ainda é necessário muita cautela. Ainda existem muitos fenômenos biológicos a serem investigados e esclarecidos sobre a utilização de célula-tronco, uma vez que, existem riscos potenciais inerentes à utilização dessa terapia, como a manipulação, armazenamento e transporte das células, à perda de controle da diferenciação celular, à migração para locais não desejados, à formação de tumores, entre outros.

Portanto, até o presente momento, a principal recomendação de tratamento e prevenção para os casos de lombalgia devido a discopatia está centrada em exercícios de alongamento. O ganho de força muscular da região lombar/abdominal, principalmente os músculos mais profundos, funcionariam como uma “cinta” protetora e estabilizadora para a coluna, o que pode retardar o processo de degeneração do disco intervertebral.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Inscreva-se nesse link.

Referências:

  • Dowdell J, Erwin M, Choma T, Vaccaro A, Iatridis J, Cho SK. Intervertebral Disk Degeneration and Repair. Neurosurgery. 2017 Mar 1;80(3S):S46-S54.
  • Kim KD. Stem Cells and Discogenic Low Back Pain. Spine (Phila Pa 1976). 2016 Apr;41 Suppl 7:S11-2.
  • Wu T, Song HX, Dong Y, Li JH. Cell-Based Therapies for Lumbar Discogenic Low Back Pain: Systematic Review and Single-Arm Meta-analysis. Spine (Phila Pa 1976). 2018 Jan 1;43(1):49-57.
  • Kumar H, et al. Safety and tolerability of intradiscal implantation of combined autologous adipose-derived mesenchymal stem cells and hyaluronic acid in patients with chronic discogenic low back pain: 1-year follow-up of a phase I study. Stem Cell Res Ther. 2017 Nov 15;8(1):262.
  • Gage FH. Mammalian neural stem cells. Science, v.287:1433-38, 2000.
  • Zago MA; Covas DT. Células-Tronco, a nova fronteira da medicina, São Paulo – Ed. Atheneu, 2006.
  • Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA – RDC Nº 214, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2018; Publicada no DOU nº 36, de 22 de fevereiro de 2018.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades