Página Principal > Colunistas > Mais médicos: CFM se posiciona sobre saída dos médicos cubanos do Brasil
estetoscópio pendurado no pescoço do médico

Mais médicos: CFM se posiciona sobre saída dos médicos cubanos do Brasil

Tempo de leitura: 2 minutos.

Esta semana os brasileiros receberam uma notícia impactante: o governo de Cuba irá retirar os médicos do programa social Mais Médicos até o final de 2018. Com isso, muitas famílias ficariam sem cobertura, pela dificuldade de substituição imediata dos quase 8.400 profissionais cubanos no programa.

O governo brasileiro já anunciou um edital para cobrir essas vagas. O Conselho Federal de Medicina (CFM) emitiu uma nota se manifestando sobre o caso. Na publicação, eles ressaltaram que o Brasil tem médicos suficientes para atender a população e que o Governo deveria focar em melhorar as condições de trabalho e oferecer opções de carreira de Estado para fixar o médico em áreas distantes.

LEIA MAIS: Expansão das escolas de medicina, qualidade do ensino e o impacto na saúde

CFM e o Mais Médicos

Confira a íntegra da nota:

“NOTA À SOCIEDADE BRASILEIRA
Brasília, 14 de novembro de 2018

Diante do anúncio feito pelo Governo de Cuba de retirada de seus intercambistas dos quadros do Programa Mais Médicos, o Conselho Federal de Medicina vem a público reiterar que:

1) O Brasil conta com médicos formados no País em número suficiente para atender às demandas da população;
2) Historicamente, os médicos brasileiros têm atuado, mesmo sob condições adversas, sempre em respeito ao seu compromisso com a sociedade;
3) Cabe ao Governo – nos diferentes níveis de gestão – oferecer aos médicos brasileiros condições adequadas para atender a população, ou seja, infraestrutura de trabalho, apoio de equipe multidisciplinar, acesso a exames e a uma rede de referência para encaminhamento de casos mais graves;
4) Para estimular a fixação dos médicos brasileiros em áreas distantes e de difícil provimento, o Governo deve prever a criação de uma carreira de Estado para o médico, com a obrigação dos gestores de oferecerem o suporte para sua atuação, assim como remuneração adequada.
5) Esses pontos constam do Manifesto dos Médicos em Defesa da Saúde, encaminhado a todos os candidatos nas Eleições Gerais de 2018, ainda no primeiro turno.

Comprometido com a Nação, a ser construída com base na ética e na justiça, o CFM se coloca a disposição do Governo para contribuir com a construção de soluções para os problemas que afetam o sistema de saúde brasileiro”.

E você? O que acha da saída dos médicos cubanos do Brasil? Deixa sua opinião nos comentários abaixo.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autora:

Dayanna de Oliveira Quintanilha

Médica no Hospital Naval Marcílio Dias ⦁ Residência em Clínica Médica na UFF ⦁ Graduação em Medicina pela UFF ⦁ Contato: dayquintan@hotmail.com

Referências:

Um comentário

  1. IARA VIANNA DA SILVA

    Acho que os médicos cubanos devem fazer o REVALIDA, pois trabalhei com um que não sabia nada, nem tratar infecção urinária e o curso que fizeram de PSF, os trabalhos foram feitos pelo enfermeiro da unidade, ele não sabia e nem sabe nada, acredito que não era médico, mas com a política ficou na cidade e fui mandada embora, imagino o que ele fez por lá, sobrecarregou meu colega que ficou lá, mas não aguentou e pediu demissão, isso ninguém conta, dos problemas que aconteceram e das besteiras que eles fizeram e fazem . Como tratam bem as pessoas, o povo que não entende de nada, acham que são ótimos.QUE FAÇAM O REVALIDA E SEPAREM O JOIO DO TRIGO.Por outro lado, nós brasileiros que ficarmos deveríamos responder ao governo e não ficarmos nas mãos desses políticos que usam nossos serviços para se promover.DEVERIAM DEIXAR QUE FIZÉSSEMOS MEDICINA E NÃO ATENDER A PEDIDOS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.