Medicamento para osteoporose pode reduzir risco cardiovascular após fratura de quadril? - PEBMED

Medicamento para osteoporose pode reduzir risco cardiovascular após fratura de quadril?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

O risco de eventos cardiovasculares com o uso de alendronato, medicamento para osteoporose, em pacientes com fratura de quadril ainda é desconhecido. Por isso, pesquisadores realizaram um estudo para investigar o risco cardiovascular com e sem o uso do fármaco nessa população. Os resultados foram publicados em maio no Journal of Bone and Mineral Research.

Para esse estudo de coorte retrospectivo, pesquisadores utilizaram um banco de dados nacional de Hong Kong. Pacientes recém-diagnosticados com fratura de quadril de 2005 a 2013 foram acompanhados até 2016. O uso de alendronato e outros medicamentos para osteoporose durante esse período foi examinado. Para examinar as associações ao longo do tempo, os resultados foram avaliados em 1 ano, 3 anos, 5 anos e 10 anos.

Acesse mais de 900 modelos de prescrição para uma rotina médica mais prática. Baixe aqui o Whitebook.

embalagem branca de medicamento

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Alendronato e o risco de eventos cardiovasculares

Entre os 34.991 participantes, 4.602 (13,2%) receberam tratamento para osteoporose durante o follow-up. O funcionamento físico ou perspectiva de sobrevivência não diferiu significativamente entre pacientes tratados e não tratados. Os pacientes que receberam tratamento foram pareados com 13.568 pacientes não tratados.

O alendronato foi associado a um risco significativamente menor de mortalidade cardiovascular em 1 ano (HR: 0,33; IC de 95%: 0,17 a 0,65) e infarto do miocárdio (HR: 0,55; IC de 95%: 0,34 a 0,89). Marginalmente, a redução significativa no risco de acidente vascular cerebral foi observada em 5 anos e 10 anos (HR em 5 anos: 0,82; IC de 95%: 0,67 a 1,00; p = 0,049 // HR em 10 anos: 0,83; IC de 95%: 0,69 a 1,01; p = 0,065). A força da associação diminuiu ao longo do tempo, mas permaneceu significativa.

Resultados semelhantes foram observados quando todos os bisfosfonatos nitrogenados foram analisados em conjunto.

Para os autores, podem ser necessários estudos adicionais em outras amostras da população e ensaios clínicos randomizados para entender melhor a relação entre o uso de medicamentos para osteoporose e risco de eventos cardiovasculares em pacientes com fratura de quadril.

Uso de bifosfonados por tempo prolongado traz benefício?

Referências:

  • Sing, C. , Wong, A. Y., Kiel, D. P., Cheung, E. Y., Lam, J. K., Cheung, T. T., Chan, E. W., Kung, A. W., Wong, I. C. and Cheung, C. (2018), Association of Alendronate and Risk of Cardiovascular Events in Patients With Hip Fracture. J Bone Miner Res. . doi:10.1002/jbmr.3448

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar