Meu paciente comprou um aparelho de PA. O que faço?

Os aparelhos de medida da pressão arterial estão se difundindo no mercado. Com isso, o número de pacientes que possuem o dispositivo aumenta, e isso naturalmente se reflete na prática.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Os aparelhos de medida da pressão arterial estão se difundindo no mercado, com custo e aquisição mais acessíveis. Com isso, o número de pacientes que possuem o dispositivo aumenta, e isso naturalmente se reflete na prática clínica.

Os aparelhos antigos, tradicionalmente utilizados por médicos, são os aneroides, cuja aferição da PA requer o uso do estetoscópio e treinamento na técnica. Por isso, não é encorajado a compra e uso por pessoas leigas. Por outro lado, os aparelhos oscilométricos são de fácil manuseio e utilização e foram desenhados para uso mesmo por pessoas que não são da área de saúde. Há hoje basicamente três tipos no mercado:

  • De punho: apresentam menor custo, porém a validação é inferior, de modo que não são o modelo preferencial.
  • De braço: automático e o semi-automático. Em ambos, é o próprio aparelho que faz a leitura. A diferença está no processo de insuflação e desinsuflação. No automático, basta apertar um botão que ele infla e esvazia sozinho. No semi-automático, é o examinador que deve inflar e esvaziar lentamente. É o aparelho com maior testagem e validação para uso clínico.

O problema no mundo real é que os pacientes têm feito a aferição da PA com técnica inadequada. Os erros mais comuns são:

– Manguito de tamanho inadequado. Na caixa vem apenas o manguito tradicional, para braços com diâmetro entre 24-32 cm. Para obesos, é necessário comprar o manguito maior, que nem sempre está à venda e encarece o custo.

– Braço e posição do corpo: é importante que o paciente esteja sentado, relaxado e com o braço apoiado na altura do coração.

– Só medir a PA quando estiver se “sentindo mal”: este é o cenário mais complicado. Ao medir a PA com dor de cabeça, mal estar ou “tonteira”, não há como saber se a PA está elevada apenas pelas circunstâncias do momento ou se estaria alta mesmo em outros horários.

– Uso de café ou cigarro antes da medida: ambos são fatores que devem ser evitados nos 30 min que antecedem a medida da PA. Repouso relativo, com atividade relaxante, também ajuda a evitar elevações transitórias da PA.

Veja também: ‘Os valores recomendados para controle da pressão arterial estão adequados?’

Medir a PA em casa e participar do tratamento ativamente é um comportamento desejável, pois o paciente motivado usualmente apresenta maior adesão ao tratamento (farmacológico ou não). É a chamada auto-medida da pressão arterial. Outras vantagens da medida domiciliar/ambulatorial da PA são:

  • Redução do efeito do jaleco branco.
  • Medidas na atividades usuais do paciente, podendo inclusive investigar hipertensão mascarada.
  • Maior número de medidas – este é um ponto central, pois a longo prazo é a média pressórica o parâmetro melhor correlacionado com risco de eventos cardiovasculares. Então, mais importante do que um pico de 180/100 durante uma enxaqueca, seriam medidas repetidas 160/90 no dia-a-dia.
  • Ajuste cronológico das doses. Se houver HAS noturna, aumenta-se a dose matinal. Se houver HAS matinal, aumenta-se a dose noturna

Mas como adequar essa participação ativa à medida fidedigna da PA? A resposta está em padronizar a técnica, através da Monitorização Residencial da Pressão Arterial. Oficialmente, este protocolo foi lançado com aparelhos automáticos que gravam as medidas e passam para uma planilha ou imprimem. Mas é plenamente possível adaptar para o paciente anotar as medidas e trazer para o médico. Apesar de haver mais de uma técnica, a mais difundida é:

1. Medir por 5 dias seguidos, de 2ª à 6ª feira.
2. Fazer três medidas de manhã e três à noite.
3. As medidas (manhã e noite) devem ser feitas antes da tomada dos medicamentos.
4. O intervalo entre as medidas é de 1 minuto.

A média deve ser calculada para período diurno (vigília) e noturno. Na MRPA, o alvo terapêutica é manter a PA média ≤ 130/90 mmHg.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades