Níveis elevados de colesterol estão associados ao menor risco de declínio cognitivo em pacientes muito idosos - PEBMED

Níveis elevados de colesterol estão associados ao menor risco de declínio cognitivo em pacientes muito idosos

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Recente estudo mostrou que níveis elevados de colesterol em indivíduos com idade acima de 85 anos estão associados a uma redução de risco no declínio cognitivo quando comparados com indivíduos 10 anos mais jovens cujos níveis de colesterol estavam também elevados.

Os níveis de colesterol total tendem a aumentar com a idade até o individuo alcançar a meia idade e então os níveis começam a diminuir e estudos mostram que colesterol total elevado na meia idade está associado a sinais de perda de cognição como declínio cognitivo, demência e doença de Alzheimer. Muitos desses estudos avaliaram pacientes por volta dos 70 anos de idade.

Para investigar a relação entre os níveis de colesterol e a função cognitiva em pessoas com idade muito avançada, pesquisadores utilizaram os dados do estudo de Framingham, que fornece informações extensivas sobre a determinação do colesterol e a cognição, possibilitando análises de sobrevivência que incluem mudanças na associação por idade dos resultados.

Embora um estudo anterior da coorte original de Framingham não encontrou associação significativa entre colesterol e Doença de Alzheimer, o objetivo do estudo foi determinar se as medidas específicas de colesterol tinham associações diferentes com o declínio cognitivo em diferentes faixas etárias.

No estudo cognição preservada foi definida pelo ponto de corte do Minimental (MMSE) maior ou igual e 25 e a perda da cognição como a deterioração da cognição preservada na idade mínima para o primeiro diagnóstico de demência ou um MMSE ≤20.

Os critérios de inclusão no estudo foram cognição preservada e, pelo menos, três medidas do colesterol até a idade mínima. Os autores também utilizaram dois subgrupos de marcadores de colesterol. O primeiro consistiu na primeira medida do colesterol obtida na meia idade e a última medida na idade mínima, o grupo foi dividido em normal (colesterol < 200mg/dL) e alto (colesterol ≥ 200mg/dL). O segundo grupo consistiu de três medidas utilizando todos os valores até a idade mínima.

Colesterol: mito ou verdade

Da coorte de Framingham 1.897 indivíduos preenchiam os critérios de inclusão e compuseram a amostra completa para análise de sobrevivência (40,2 ± 6,8 anos, 747 homens, 1150 mulheres). Entre esses pacientes 316 experimentaram um declínio cognitivo (114 com demência diagnosticada e 202 com MMSE ≤ 20). Na amostra havia 1.041 participantes entre 75 e 84 anos e 391 com idade entre 85 e 94 anos.

Para o intervalo de idade (75-84), 36,7% da amostra com aumento da curva tinham um risco aumentado para o declínio cognitivo (p=0,041) comparados com os indivíduos com curva descendente do colesterol. Por outro lado indivíduos na faixa de 85-94 anos, 23,3% com a curva ascendente tinham um risco significativamente menor (p=0,04) de declínio cognitivo comparados com aqueles com curva descendente. Uma associação significativa foi encontrada na amostra total entre uma curva crescente do colesterol na meia idade com o declínio cognitivo.

Em contraste com estudos prévios o valor do primeiro colesterol alto foi associado com risco reduzido nos indivíduos com idade entre 85-94 anos. Além disso, variáveis como menos anos de estudo e o não uso de estatinas perderam a força para prever o declínio cognitivo à medida que a idade do desfecho aumentou.

Os autores mostraram que pessoas com cognição preservada entre 85 e 94 anos, cujo colesterol total aumentou na meia vida tinham um risco reduzido de 32% para a perda da cognição na próxima década em comparação com indivíduos entre 75 e 84 anos que tinham um risco aumentado de 50%. Os achados são consistentes com o que é conhecido atualmente de que o colesterol total diminui na idade avançada e o baixo colesterol na velhice está associado a uma perda da saúde, comorbidades e deterioração da cognição, confirmando a evidência de que existe um menor nível de síntese e absorção do colesterol quando as pessoas envelhecem. Por outro lado durante a meia vida o oposto é verdadeiro, níveis elevados de colesterol estão associados à perda da cognição que se torna mais evidente na velhice.

Consumo moderado de álcool é fator de risco para declínio cognitivo?

Autor:

Referências:

  • Silverman JM, Schmeidler J. Outcome age-based prediction of successful cognitive aging by total cholesterol. Alzheimers Dement. 2018 Mar 1. pii: S1552-5260(18)30028-1. doi: 10.1016/j.jalz.2018.01.009.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar