Página Principal > Cardiologia > Nova técnica avalia idade biológica das artérias através da pressão central
artérias

Nova técnica avalia idade biológica das artérias através da pressão central

Tempo de leitura: 2 minutos.

A velocidade com que o sangue sai do coração e a resistência das artérias à passagem desse sangue são determinadas pela rigidez das paredes dessas artérias. E isso pode ser avaliado através da pressão central, uma técnica que utiliza a medida da onda de pulso gerada a partir de cada batimento do coração.

Esta é a nova arma no diagnóstico/prevenção de doenças cardiovasculares. Com essa informação, é possível determinar a qualidade das artérias, a idade biológica dos vasos, antecipar e escolher tratamentos mais adequados para cada paciente.

Para o cardiologista Eduardo Costa Duarte Barbosa, presidente da Sociedade Latino Americana de Hipertensão (LASH) e da Sociedade Arterial Latino Americana (Artery LATAM), a avaliação dessa elasticidade arterial tem importância clínica na medida em que pode estratificar melhor os fatores de riscos do paciente e, dessa forma, contribuir para o tratamento e prevenção dos eventos cardiovasculares, responsáveis por mais de 380 mil mortes no Brasil, segundo o Cardiômetro da Sociedade Brasileira de Cardiologia, e aproximadamente 18 milhões no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde.

Leia maisQuiz: qual é o diagnóstico deste comprometimento da artéria coronária?

No Brasil, a tecnologia de aferição da pressão central já está validada pela Agência Nacional de Vigilância Alimentar (Anvisa), mas poucos médicos ainda estão familiarizados com os métodos. Entretanto, de acordo com o cardiologista Eduardo Barbosa, pesquisas recentes têm demonstrado as contribuições desse novo conhecimento que direciona a uma maior personalização da Medicina.

“Os estudos têm demonstrado que esse é um conceito que pode modificar a forma de lidar com os pacientes através de uma medicina mais individual com tratamentos personalizados”, aponta o especialista, destacando ainda maior atenção a pacientes hipertensos, com obesidade, e diabetes tipo 2, pois estes possuem vasos mais rígidos e maiores chances de infarto.

A receita da longevidade

Em 2009, a bióloga e professora australiana Elizabeth Blackburn foi uma das vencedoras do Prêmio Nobel de Medicina graças à descoberta dos telômeros (pedaços do cromossomo) e a relação deles com o envelhecimento. De acordo com a cientista, quanto menor o tamanho desse elemento genético, maior é o envelhecimento de um indivíduo, o que faz com que os telômeros sirvam como um parâmetro dos efeitos da idade no corpo.

A bióloga, que atua na Universidade da Califórnia em São Francisco, nos Estados Unidos, se juntou à psicóloga Elissa Epel, da mesma instituição, para compartilhar os achados científicos que conectam a integridade dos telômeros aos nossos hábitos e à maneira de encarar a vida. O resultado está no livro O Segredo Está nos Telômeros, lançado no país pela editora Planeta.

Durante a entrega do prêmio, a especialista os comparou aos acabamentos de cadarços. “Imagine o cadarço como sendo o cromossomo, que carrega a nossa informação genética. O telômero é essa pontinha que serve de proteção. Quando se desgasta, o material genético fica desprotegido, e as células não podem se renovar apropriadamente”, ilustrou.

A cientista também revelou que mudanças de estilo de vida podem evitar esse deterioramento, como a prática regular de atividades físicas, largar o vício do cigarro e de bebidas alcoólicas, e ainda cultivar uma alimentação mais saudável.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

Um comentário

  1. Avatar
    Maria Conceição Pugliese

    Adprei o artigo e gostaria de sempre receber novidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.